O multilateralismo digital

A ideia de soberania está em regressão. Mas na conferência de segurança de Munique discutiram-se soluções para o futuro e novas ideias para manter e exercer poder no digital.

A soberania digital é um conceito curioso. Herdada das ideias geopolíticas tradicionais, tenta replicar os espaços de poder de uma nação e aplicá-la aos tempos modernos. Mas a soberania digital é um produto seu tempo – o tempo tecnológico, o tempo económico, o tempo geopolítico. Exatamente como o estado-nação, uma ideia que não existiu desde sempre e que pode não existir para sempre.

Ora, o tempo em que a soberania digital se discute tem características próprias. Do lado da soberania tradicional, a primeira dimensão a ser contestada é a de território: com fronteiras permeáveis e diluídas pela globalização e com a impossibilidade de controlo do território digital, nenhum governo central consegue exercer um controlo efetivo sobre os seus limites não-físicos.

Também mudaram os direitos e deveres dos portadores de cidadania de um estado de direito: graças a ferramentas digitais, posso hoje ter uma presença física num Estado-Nação sem contribuir diretamente para ele, por exemplo votando noutro país ou manter as minhas finanças em moedas descentralizadas como a Bitcoin.

Também o poder dos atores independentes é muito maior, e não se pode conceber uma ideia de soberania digital sem a discutir com as operadoras de telecomunicações, as gestoras das clouds, as criadoras de algoritmos, etc. Ora, tendo em conta que estas empresas são imensamente mais poderosas que muitos estados-nação, é fácil perceber que o balanço de poderes não joga a favor dos governos centrais.

É interessante que tudo isto tenha estado em jogo numa das maiores conferências de geopolítica internacional. A Conferência de Segurança de Munique, que terminou este domingo, dedicou-se a discutir o atual estado de fraqueza do Ocidente (“Westlessness”), mas acabou por fornecer uma ode ao multilateralismo e à necessidade de fortalecer os mecanismos legais construídos… pelo Ocidente.

Por isso é que o presidente da Microsoft disse estar de acordo com o modelo europeu de manter os dados dos utilizadores europeus na Europa; ou que o próprio Mark Zuckerberg tenha pedido regulação para as suas atividades; ou que o comissário francês tenha anunciado que a luta pela soberania das clouds está em curso e que a questão da Huawei continue a estar tão presente. Nada disto resolve as dúvidas sobre a capacidade de exercer soberania efetiva no digital, nem sobre quem o faz. Mas abre caminhos que podem vir dar a soluções que irão sempre no sentido de criar um multilateralismo tecnológico – um multilateralismo onde a soberania é partilhada entre cidadãos, governos e entidades.

Ler mais: o tema é ainda relativamente novo e por isso a maioria dos textos publicados ainda são bastante académicos. Mas quem quiser começar a explorar estas ideias relacionadas com a soberania e o multilateralismo digital pode pegar em dois relatórios úteis. A Foundapol, um think-tank francês de ciência política, escreveu este sobre os desafios legais para a gestão da internet; e o governo francês também publicou a sua opinião sobre a necessidade de uma soberania europeia partilhada, que merece atenção.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

O multilateralismo digital

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião