O respeito pelos direitos de propriedade intelectual carece de uma luta global

  • João Paulo Mioludo
  • 20 Fevereiro 2020

Leia aqui o artigo de opinião do sócio da SRS Advogados, João Paulo Mioludo, sobre os direitos de propriedade intelectual.

Foi recentemente publicado o relatório da Comissão Europeia sobre a proteção da propriedade intelectual em países terceiros. É compreensível a preocupação das instituições europeias neste domínio. Os sistemas de propriedade intelectual devem oferecer aos agentes económicos que investem na inovação e na criatividade um nível de proteção elevado, garantindo-lhes um justo e equilibrado retorno dos seus investimentos que, em determinados setores de atividade, são significativos.

Por outro lado, têm de ser considerados, muito seriamente, os impactos e efeitos negativos do fenómeno da contrafação e da pirataria, representando uma economia paralela e em larga escala que tem repercussões a vários níveis. Já não é, apenas e só, a questão do investimento na inovação enquanto motor do desenvolvimento das empresas e do crescimento económico que está em causa.

No ano passado, o Instituto da Propriedade Intelectual da União Europeia publicou um estudo, revelando que a contrafação e a pirataria são responsáveis pela perda de quase 500 mil postos de trabalho na União Europeia, sendo que em Portugal esse número ascendia a 22 mil postos de trabalho.

Mas outros parâmetros devem ser considerados, como sejam os danos causados à imagem e à qualidade dos produtos, os riscos para a saúde, a segurança e o ambiente, designadamente os que resultam de uma total ausência de controlo ou certificação sobre a produção e qualidade das mercadorias de contrafação, a perda de receitas fiscais e a crescente associação deste fenómeno à criminalidade organizada, incluindo o financiamento do terrorismo.

Neste relatório, a China vem identificada como uma prioridade absoluta, o que não é de estranhar atendendo ao enorme mercado que representa e à necessidade, diríamos vital, de as empresas europeias aí se posicionarem. Simplesmente, não têm encontrado o ambiente mais favorável à proteção dos seus direitos.

No que respeita às marcas, por exemplo, os registos efetuados de má fé são uma dor de cabeça para qualquer empresa que pretenda iniciar ou manter os seus negócios na China, o que, com alguma graça, já vimos apelidado de “epidemia de registos de marca de má fé”.

No domínio das patentes têm sido identificadas práticas abusivas que vão desde a instauração de processos de invalidade sobre patentes tituladas por empresas estrangeiras, e que são objeto de uma ação por infração pelo respetivo titular, até à duvidosa qualidade e rigor das decisões administrativas de concessão desses direitos.

Recentemente, entraram em vigor alterações à lei de marcas, prevendo designadamente que qualquer pedido de registo efetuado de má fé, sem qualquer intenção de uso por parte do requerente, deve ser recusado, situação que será igualmente de ter em conta em processos de oposição ou invalidação. Está inclusivamente previsto que os requerentes podem ser alvo de penalidades, designadamente sob a forma de avisos e multas.

Outras medidas têm vindo a ser implementadas e podemos admitir uma evolução favorável nos últimos anos, mas o que este relatório nos transmite é que tem sido lenta e, sobretudo, insuficiente. Justifica-se, pois, a preocupação revelada pela Comissão Europeia neste relatório e o plano de ação aí definido, selecionado outros mercados prioritários, como a Índia, a Rússia a Turquia ou a Nigéria, entre outros, todos com características próprias e que merecem uma especial atenção. Precisamente, a Nigéria foi identificada como sendo um território de “trânsito” para os produtos de contrafação provenientes da China e posterior reexportação para outros países da África Ocidental e União Europeia, sendo certo que não dispõe sequer de controlos aduaneiros adequados.

Neste domínio, a intervenção da União Europeia coloca-se ainda ao nível das negociações com esses Estados e com Organizações Internacionais para obtenção de acordos bilaterais e multilaterais e implementação de programas de assistência técnica, visando a criação nesses países de um sistema mais eficaz de proteção e defesa dos direitos de propriedade intelectual.

O respeito pelos direitos de propriedade intelectual carece, de facto, de uma luta global, constituindo este relatório apenas uma amostra. Em Portugal. não podemos deixar de constatar, com algum lamento, que o respeito pelos direitos de propriedade intelectual está aquém do desejável. É certo que temos assistido a uma evolução, mas que se situa mais ao nível dos meios, não tanto no que respeita a atuações concretas na defesa dos direitos de propriedade intelectual.

Agora que tanto se começa a falar da responsabilidade dos intermediários, por exemplo dos titulares das plataformas de comércio eletrónico ou dos espaços arrendados em feiras e mercados que, nesses espaços de comércio, autorizam ou permitem a venda e comercialização de produtos de contrafação e pirataria, seria bom punir, e exemplarmente, os infratores pela prática deste tipo de ilícitos, assegurando proteção efetiva aos titulares dos direitos de propriedade intelectual, designadamente indemnizando-os adequadamente pelas infrações cometidas contra os seus direitos de exclusivo. Com isto queremos dizer, obviamente, que as respostas dos tribunais, sobretudo dos tribunais criminais, não têm sequer sido dissuasoras destas práticas ilícitas, quanto mais compensatórias para os titulares dos direitos.

Aguardemos por um próximo relatório da Comissão Europeia sobre este tema, que receamos bem não venha a ser muito diferente.

*João Paulo Mioludo é sócio da SRS Advogados.

  • João Paulo Mioludo
  • Sócio da SRS Advogados

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

O respeito pelos direitos de propriedade intelectual carece de uma luta global

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião