Opções obrigatórias

Por vezes, a vida confronta-nos com "opções" que são obrigatórias. A mudança recente dos termos e condições do WhatsApp é exemplo disso.

Numa escola que frequentei, dizíamos que certas cadeiras eram “optativas obrigatórias”. Apesar de podermos escolher duas a cada ano, a lista de opções só incluía duas.

A vida confronta-nos com este tipo de “opções” algumas vezes. Temos liberdade para escolher, mas somos amarrados pela total falta de margem dessa mesma escolha.

Voltou a acontecer esta semana. Ao abrir o WhatsApp, fui confrontado com um aviso sobre a mudança dos termos e condições da aplicação.

Em linhas gerais, era-me pedido que desse permissão ao WhatsApp para partilhar os meus dados pessoais com os serviços do Facebook – mesmo que não tivesse conta nessa rede social. Ou aceitava, ou saía.

O caso é paradigmático e digno de estudo. O primeiro ponto é que, na verdade, até tinha a liberdade para não aceitar os novos termos e condições. Mas teria uma consequência óbvia: perderia o acesso aos contactos e às mensagens.

Como nem tudo é preto ou branco, se não aceitasse as novas regras do WhatsApp, perderia também o acesso ao meu trabalho. Afinal, é a ferramenta que usamos para comunicar durante esta pandemia.

Sendo, a meu ver, um conflito de escolha desequilibrado – controlar os meus dados ou perder o meu emprego –, lá aceitei, contrariado, estas novas exigências. Sabendo que, no trabalho ou fora dele, o Facebook pode agora, livremente, continuar a recolha e exploração dos meus dados e comportamento, a troco de intermediar gratuitamente as minhas comunicações.

O segundo ponto desta breve análise é que uma comunicação exige sempre duas pessoas. Mesmo que não aceitasse os novos termos e migrasse para outra aplicação, teria de ser um movimento em escala. Caso contrário, acabaria por dar por mim sozinho, a falar para o vazio, sem ninguém do outro lado para ouvir e responder.

A influência das redes sociais no debate público está no centro da atualidade. Qualquer discussão fica vazia se não entendermos o papel das opções obrigatórias no sucesso destas empresas.

Felizmente, como eu, outros leram os novos termos e condições do WhatsApp. Alguns, mais felizardos, puderam mesmo escolher e desligar o WhatsApp por completo, migrando para alternativas como o Signal e o Telegram.

Não posso exigir a ninguém essa mudança. Duvido até que muitos a façam. Mas posso decidir o seguinte: apesar de estar amarrado à escolha do WhatsApp, também estou disponível nas outras plataformas. Não tenho verdadeira liberdade de escolha, mas dou aos outros a liberdade de escolherem.

Subscreva aqui a newsletter de Tecnologia do ECO.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Opções obrigatórias

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião