Paciência. Consistência e fé: as leis fundamentais da liderança

  • Anabela Chastre
  • 10 Junho 2020

Para ter uma liderança forte e assente em bons princípios de gestão de equipas, todos os líderes deveriam saber as leis essenciais a uma boa liderança. Mas afinal, que leis são essas?

Nada de bom acontece do dia para a noite, leva tempo. Em várias circunstâncias da nossa vida, aprendemos que, para conseguir alguma coisa no futuro, temos de agir no presente. Ou seja, é preciso plantar primeiro, para colher depois. Para além disso, é preciso saber quando plantar, quando cuidar e quando colher. E todas essas fases têm um denominador comum, a paciência. Na liderança, é igual.

A Lei paciência

Para ter uma equipa de performance excecional, é preciso começar desde cedo a implementar ações que a conduzem para esse patamar de excelência. Aqui tem de saber o que quer “colher” no futuro. Faça esta questão a si mesmo: que equipa quero ter daqui a um ano? Imagine que a resposta seria algo do género: quero ter uma equipa, ágil, capaz de dar respostas em tempo útil. Quero ter uma equipa empática, que saiba colocar-se no lugar do cliente e ajudar-se internamente para chegar a um resultado eficaz para ele. Com estas respostas, vai identificar quais as competências que precisa desenvolver, neste caso, agilidade da equipa e empatia com o cliente. Mas podem ser outras, cada líder saberá melhor o que pretende para sua equipa e para a sua empresa. Nesta fase de plantar, já sabe o que tem de fazer, semear comportamentos na equipa que os levem a ter o resultado que quer ver daqui a um ano.

Mas até lá, precisa cuidar do que cultivou e isso significa acompanhar esses comportamentos, no sentido de perceber se estão a ser alcançados ou não pela sua equipa e por cada um individualmente. E só há uma forma de o fazer, através de feedback do líder para a equipa e vice-versa. Elogiando e redirecionando comportamentos. Liderança é paciência, porque comportamentos não se mudam de um dia para o outro. Cultivam-se. Acompanham-se e só depois se colhem os resultados.

A lei da consistência

Há uma frase que ouvi uma vez num seminário de Liderança que fui assistir em Londres, que falava sobre a consistência. Dizia o orador que os resultados que obtemos dependem da frequência com que os fazemos. Quanto mais consistentes formos, mais esforço e dedicação imprimirmos, melhores resultados teremos à frente. Não é muito difícil, transpor isto para a prática, basta olhar para o exemplo do Cristiano Ronaldo. Dedicação e compromisso para apurar a técnica, levam a resultados para além do comum.

Vamos transpor esta lei para as vendas. Imagine que apresenta o seu produto a 10 pessoas, mas apenas uma pessoa compra. Se desistir, o resultado será péssimo, mas se continuar na semana seguinte a apresentar a mais 10 pessoas, provavelmente terá mais uma venda e, se continuar a aperfeiçoar o seu produto com as sugestões que for recebendo, vai ter melhores resultados. O mesmo se aplica na liderança de equipas, boas práticas aplicadas de forma consistente, levam a resultados extraordinários mais à frente.

A lei da fé

Esta lei resume a capacidade de acreditar em algo que ainda não existe, mas acreditamos que se realizará em breve. A fé pode transformar a dificuldade, aquilo que é menos bom, numa realidade positiva. Steve Jobs referiu isso, num dos seus pensamentos:
“É preciso confiar em alguma coisa – no seu instinto, destino, vida, karma, qualquer coisa. Essa abordagem nunca me dececionou e fez toda a diferença na minha vida.”

Quando se acredita fortemente, conseguimos ir muito mais além do que alguma vez pensaríamos ir.

Muitas vezes na liderança é preciso ter fé. Nem sempre conseguimos ver o fim do túnel quando estamos a passar por constantes dificuldades mas, mesmo assim, é preciso ter fé e continuar a acreditar que lá chegaremos. O papel do líder é esse mesmo: ter fé e levar a sua equipa também a ter fé. Se o líder deixar de acreditar, a equipa também deixará de o fazer.

Então, enquanto líder seja o primeiro a dar um salto de fé. Tudo o que puder ver como possível, comece a acreditar nisso, tenha fé nisso. Quando isso começar a acontecer, as possibilidades irão superar a sua própria imaginação.

Boas lideranças!

  • Anabela Chastre

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Paciência. Consistência e fé: as leis fundamentais da liderança

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião