Precisamos de mais empreendedoras!

  • Céline Abecassis Moedas
  • 10 Novembro 2020

Por que o empreendedorismo continua a ser visto como uma atividade predominantemente masculina? Como podemos mudar este padrão e ajudar a criar mais empreendedoras?

A importância do empreendedorismo feminino para o desenvolvimento económico é um mito desfeito. Numerosos estudos demonstram a influência positiva das mulheres empreendedoras no crescimento e desenvolvimento económico de muitos países. No entanto, por que o empreendedorismo continua a ser visto como uma atividade predominantemente masculina? Como podemos mudar este padrão e ajudar a criar mais empreendedoras?

Os estudos confirmam que os homens, com o mesmo nível de formação e experiência, têm mais confiança nos seus recursos para criar um negócio do que as mulheres (66% contra menos de 50%). Na Cátolica-Lisbon, nos alunos de Mestrado com a mesma preparação, só 69% das mulheres se sentem prontas a tornar-se empreendedoras em comparação com 82% dos homens.

Depois de ultrapassar a barreira da confiança, surge a dificuldade de arranjar financiamento. Embora um estudo da BCG revele que as empresas dirigidas por mulheres são mais seguras para os investidores e geram mais lucro (0,73 milhões em vez de 0,66 milhões), as startups fundadas por mulheres recebem menos investimento (0,93 milhões em vez de 2,12 milhões). Esta é uma tendência que tem vindo a ser melhorada, mas que exige ainda muito trabalho e atenção.

O ecossistema empreendedor não é uma exceção: embora existam mulheres nas startups, em Portugal e no estrangeiro, ainda são poucas e as suas histórias pouco divulgadas. O nosso parceiro da Startup Lisboa que é uma referência para o empreendedorismo ao nível nacional tem apenas 20% das suas startups cofundadas por mulheres, segundo dados de 2018.

Há ainda alguns setores onde as empresas são pouco lideradas por mulheres. Por exemplo, na indústria de alta tecnologia e TI, apenas 13% de startups são criadas e/ou lideradas por mulheres. É neste sentido que os PWIT Awards e o programa de mentoria têm um papel essencial para desenvolver uma comunidade de tecnologia mais diversificada e inclusiva.

Para estas razões, o Catolica-Lisbon CTIE criou, em 2019, o Women Entrepreneurship Award, para dizer às jovens mulheres que têm um papel essencial na nossa sociedade e que há espaço para empreenderem no futuro! É isso que nos falta: é importante darmos a conhecer quem são estas mulheres que empreendem e quais são a suas histórias. São estas mulheres que vão dar às gerações futuras o exemplo que elas precisam para se inspirar e avançar com os seus projetos!

*Céline Abecassis-Moedas é founder and academic director of CTIE (Center for Technological Innovation and Entrepreneurship) – Católica Lisbon

  • Céline Abecassis Moedas

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Precisamos de mais empreendedoras!

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião