Quando a esmola é muita, o santo desconfia

Na minha opinião, a desintermediação bancária, bem como o surgimento das criptomoedas, é, em parte, a manifestação do populismo na vertente financeira.

O episódio desta semana do Contas Poupança explicou como podem os portugueses transformar-se em banqueiros (bom, em rigor, já o somos, que a Caixa Geral de Depósitos é pública, mas para além disso, entenda-se). Usando o exemplo da portuguesa Raize, o programa explicou que existem plataformas online que permitem que as pessoas emprestem directamente às empresas. As taxas de juro andam em torno dos 7%, bastante acima do que oferecem os bancos por um depósito a prazo.

Quando a esmola é muita, o santo desconfia. Uma economista neoclássica também fica com algumas dúvidas. Não obstante os recentes problemas do sector bancário, um depósito continua a ser uma opção mais segura que emprestar dinheiro a um pasteleiro para comprar uma carrinha que lhe permita ir distribuir os seus bolos decorados a pasta de açúcar. E, por isso, não me causa qualquer surpresa a remuneração muito acima das que os bancos oferecem: é que aqui somos nós quem está a correr o risco e, por isso, a taxa de juro tem de o reflectir, tem de incluir um prémio.

Mas como consegue essa taxa de juro competir com a cobrada nos empréstimos bancários? Não creio que o cidadão comum seja menos avesso ao risco que a banca. Uma vantagem frequentemente referida é a rapidez do processo. Mas, então, porque não são os bancos mais ágeis na avaliação dos pedidos de crédito? Terá que ver com as exigências regulatórias, que não se aplicam às FinTech (a Comissão Europeia está a preparar um Plano de Acção neste domínio)? Não existirá uma errada avaliação de risco por parte de quem coloca aqui o seu dinheiro?

Há, neste momento, no meu ombro, um economista comportamental em miniatura a segredar-me ao ouvido “desiste de assumires racionalidade e vais ver que as perguntas se respondem”. Mas eu não abdico de considerar racionais os agentes económicos, sendo que não confundo racionalidade com materialismo. O pagamento de juros não é tudo e alguns estudos demonstram que os financiamentos concedidos a partir destas plataformas se assemelham a donativos: as pessoas investem em projectos com que se identificam, isso dá-lhes um sentimento de pertença, o que é uma forma (não monetária) de serem recompensadas.

Na minha opinião, a desintermediação bancária, bem como o surgimento das criptomoedas, é, em parte, a manifestação do populismo na vertente financeira. Não são apenas os partidos políticos a estar desacreditados. A mais recente crise económica mundial veio expor uma série de comportamentos pouco éticos (para ser muito eufemista), falhas por parte das entidades reguladoras e de supervisão e conluios de interesses privados que sacrificaram o interesse público. E isso conduziu a uma natural quebra de confiança no bom funcionamento das instituições. Desempenhando quase o papel que outrora tiveram as armas, a internet veio conferir ao cidadão comum, não o poder de vencê-las, mas antes o de viver sem elas. Não se adivinha sangrenta, mas é uma revolução.

Vera Gouveia Barros escreve segundo a ortografia anterior ao acordo de 1990.

Disclaimer: As opiniões expressas neste artigo são pessoais e vinculam apenas e somente a sua autora.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Quando a esmola é muita, o santo desconfia

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião