Trabalho remoto é mais do que mandar as pessoas para casa

  • Álvaro Rojas
  • 8 Junho 2020

Então, porque não estivemos sentados em casa na última década, treinando online e participando em videoconferências?

No papel, o trabalho remoto é acéfalo. Aumento de produtividade, redução de custos, acesso a uma muito maior pool de talento e horários flexíveis para os trabalhadores. A tecnologia está lá, também. Esteve lá nos últimos 10 anos. Então, porque não estivemos sentados em casa na última década, treinando online e participando em videoconferências?

Marissa Meyer, CEO da Yahoo!, declarou-se a favor de uma política de trabalho-não-remoto há cerca de cinco anos, com outras empresas de alto perfil como a Reddit, Best Buy ou IBM a seguirem-na. As declarações falavam do facto de “para se tornar o melhor espaço para trabalhar, a comunicação e a colaboração são importantes, mas também precisamos de trabalhar lado a lado”. Porque é que algumas das maiores empresas do mundo evitam a panaceia da cultura do trabalho?

Eles não estavam preparados.

Ao mesmo tempo que empresas e trabalhadores foram forçados a descobrir como fazer durante o mês passado, trabalho remoto significa um pouco mais do que mandar as pessoas para casa e ter uma boa ligação à internet. Tal como não podemos fazer um melhor corredor só comprando-lhe melhores sapatos, não podemos aumentar a performance de uma equipa apenas permitindo-lhe que trabalhe de casa. Para colher os benefícios de uma equipa remota, é necessário estabelecer os básicos de qualquer equipa bem sucedida, e adaptá-los a um ambiente remoto: colaboração, comunicação e cultura.

Colaboração

Se é difícil ter os empregados a trabalhar em harmonia para atingir resultados quando estão sentados ao seu lado, imagine quando eles estão espalhados entre São Francisco, Madrid e Nova Deli. Para que a coordenação da equipa funcione em ambiente remoto é necessário que trabalhe como um relógio. Cada elemento da equipa deve ter dúvidas sobre a missão da empresa, as suas prioridades atuais, papel e responsabilidades, e sobre quais as métricas de performance. Cada projeto e processo deve ser documentado ao detalhe, e as equipas devem saber quando e onde ter acesso a updates, progressos e como comunicar decisões.

Comunicação

A comunicação virtual ainda tem limitações. Não conseguimos recriar pequenas nuances e dicas sociais percebidas na comunicação em pessoa. Ainda não. A chave para ultrapassar estes desafios é simples, mas difícil de executar com sucesso: adotar guidelines e processos claros de comunicação. Que ferramentas usar? Com que propósito? Com que frequência? Em que situação? Todo o sistema de comunicação deve ser desenhado perfeitamente e implementado para assegurar que a comunicação flui perfeita e efetivamente.

Cultura

Indiscutivelmente, o aspeto mais importante. Como defende Ben Horowitz, “a cultura é a forma como a sua empresa toma decisões quando você não está lá”. E num ambiente remoto, você nunca está. O seu trabalho é feito sobretudo em isolamento, e isso exige que o sistema de colaboração e de comunicação seja efetivo por um período, mas é uma cultura forte que promove o envolvimento e sustenta a performance a longo prazo. O foco deve estar na construção de uma identidade partilhada através dos valores da empresa – e da confiança.

O trabalho remoto não é uma moda, veio para ficar. No entanto, é improvável que se torne instantaneamente um hábito num cenário pós-crise. A sua implementação é mais ampla e profunda do que a maioria das organizações antecipou e, para ser bem sucedido, é necessária uma aproximação estruturada, assente num investimento significativo numa mudança de cultura organizacional. Ainda que a atual pandemia tenha acelerado a sua adoção, teremos ainda um caminho longo a percorrer para fazer do trabalho remoto, trabalho.

*Álvaro Rojas é VP Student Outcomes & Corporate Partnership da Ironhack.

  • Álvaro Rojas

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Trabalho remoto é mais do que mandar as pessoas para casa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião