Uma aula remota de oito horas? Uma experiência remota(mente) interessante

  • Mário Ceitil
  • 1 Abril 2020

Contar a experiência de “dar uma aula” universitária com a duração de oito horas quase seguidas (das 9h às 13h e das 14h às 18h), em registo remoto e...ao sábado.

Foi um desafio perante o qual hesitei em responder favoravelmente. Primeiro, por se tratar de abordar um tema relacionado diretamente com uma experiência pessoal; depois, por nela eu ser parte totalmente comprometida e interessada; por fim, mas não menos importante, porque envolve também pessoas e instituições que não devo nomear por razões de sigilo profissional e cujo veredicto formalizado (que não possuo) seria da maior relevância para de tal experiência se poder fazer um balanço avaliativo minimamente objetivo e fiável.

Refiro-me especificamente ao desafio que me fizeram para fazer um pequeno texto de reflexão sobre uma experiência pedagógica em que me envolvi recentemente: em concreto, “dar uma aula” em contexto universitário com a duração de praticamente oito horas seguidas (das 9h às 13h e das 14h às 18h), com um intervalo de cerca de uma hora para almoço), em registo remoto… ao sábado.

Como é óbvio, aulas dadas em registo não presencial — que já não eram uma novidade na “era pré-corona” — estão hoje completamente generalizadas em praticamente todos os níveis de ensino e em todas as modalidades de aprendizagem, formais e não formais; aliás, nestes tempos conturbados em que vivemos, já nem sequer são uma opção mas uma inevitabilidade.

No entanto, essa generalização de novas ferramentas e práticas pedagógicas, forçada pelo atual contexto que nos impõe o distanciamento social como parte essencial de um kit de proteção antivírus, tem suscitado desafios complexos, para os quais muitos de nós não estávamos adequadamente preparados.

Por isso, julgo que, na comunidade de todos quantos fazem do ensino e da formação a sua área dominante de atividade profissional ou simplesmente um campo eletivo de interesse, é importante refletirmos em conjunto sobre os nossos problemas, dúvidas e dificuldades, mas também partilharmos as experiências que vamos tendo, para delas podermos retirar colaborativamente ideias e sugestões para futuras melhores práticas.

É para esse objetivo, em concreto, que aqui deixo a minha contribuição.

Da experiência realizada, faço a seguir uma pequena síntese sobre os aspetos que me parecem de maior relevância:

A presença física perante um ecrã é uma coisa que, obviamente, cansa: cansa fisicamente, como é bem evidente através das movimentações dos participantes, que mudam frequentemente de posição; cansa sensorialmente, pela sujeição continuada a estímulos visuais agressivos e cansa cognitivamente, sobretudo se os trechos comunicacionais do emissor (professor ou formador) forem ritmados de uma forma homogénea, eventualmente monótona e longa. Esse cansaço, à semelhança, aliás, com o que ocorre na formação presencial, provoca défices na capacidade de atenção e concentração, gerando consequentes limitações na aprendizagem. De salientar, aqui, que o registo digital permite ao participante “escapar-se” mais facilmente do “proscénio pedagógico”, podendo mesmo “apagar”, literalmente, a sua imagem, por vezes invocando razões de natureza técnica (tipo, “falhas na net”).

Deixo por isso algumas ideias de práticas possíveis para contornar esta tendência de “escapismo”:

  • Ser “dramáticos”, tanto no tema quanto na forma de transmitir as mensagens;
  • Fazer modulações de voz, contar pequenas histórias e dar muitos exemplos práticos;
  • Preferencialmente, aproximar a figura da câmara, ter o cuidado de olhar diretamente para ela (a câmara, entenda-se…) e não para a sua própria imagem refletida no ecrã;
  • Gerir com grande parcimónia as apresentações de slides;
  • Personalizar a relação com o aluno/participante, designadamente através de uma interpelação direta, embora cordial, sem nunca ser impositivo. Esta interpelação deverá também ter em conta a atitude específica de cada participante, agindo sobre aqueles que vão evidenciando sinais de desligamento ou de estarem a iniciar uma “reflexão profunda”, e demasiado “introspetiva”…
  • Valorizar as questões colocadas;
  • Manter o “chat”;
  • Em, determinados momentos, introduzir curtas pausar para permitir aos participantes fazerem algum “stretching”;
  • Gerir os chamados “exercícios práticos” igualmente com alguma parcimónia. Se mantivermos os alunos/participantes demasiado tempo desconectados, mesmo em exercícios de grupo, poderemos correr o risco de fazer “esfriar” a relação, com os consequentes e tendenciais desvios de atenção concentrada.

Em suma, e como mensagem final, dessa experiência, e de outras que já tenho tido em registo remoto, o que extraio é uma conclusão, afinal muito pouco inovadora: o melhor mesmo é aplicarmos mais ou menos os mesmos princípios que são sugeridos na relação face-a-face, ou seja, personalizar a relação, deixar fluir emoção, provocar surpresa, dar protagonismo aos participantes e manter o foco com flexibilidade à dimensão humana.

De resto, e porque me assumo inequivocamente como um “homem da palavra”, seja em registo presencial como em registo remoto, o que é essencial é sermos capazes de fazer de uma possível “teoria chata”, uma história bem contada.

Se o consegui, ou não, é outra questão. Como é óbvio, o melhor é perguntar a quem esteve “do outro lado”.

*Mário Ceitil é presidente da APG.

  • Mário Ceitil

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Uma aula remota de oito horas? Uma experiência remota(mente) interessante

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião