E-learning? Como pôr as crianças a aprender a partir de casa

Ensino gratuito, aulas de programação e tecnologia à distância, e plataformas online para organizar projetos. Saiba como pode otimizar as atividades dos mais novos em tempos de quarentena.

Entre 16 de março e 9 de abril, todas as escolas do país vão encerrar. Foi uma das medidas decretadas esta quinta-feira pelo primeiro-ministro, António Costa, contra a propagação do novo coronavírus.

São milhares de crianças que têm de estudar à distância, enquanto outros tantos pais trabalham remotamente. Saiba que alternativas existem online para que os seus filhos não deixem de aprender, mesmo que tenham de ficar por casa.

Aulas online gratuitas

A Porto Editora disponibilizou todos os conteúdos educativos digitais da Escola Virtual, para professores e alunos, do 1.º ao 12.º ano. A plataforma de e-learning terá acesso gratuito durante todo o período de quarentena. Nesta plataforma é possível criar turmas, organizar aulas, partilhar conteúdos, realizar exercícios e até monitorizar o trabalho dos alunos através da atribuição de tarefas.

Na editora LeYa, todos os recursos da plataforma de ensino Banco Aula Digital também passam a ser disponibilizados gratuitamente, para alunos e professores. Para ter acesso, só precisa de ativar a licença na página oficial da plataforma.

Aulas de programação gratuita para escolas

A startup ubbu já disponibilizou de forma gratuita, até junho, os conteúdos da plataforma de ensino de programação, para todas as escolas do 1º. ao 6.º ano de escolaridade. As escolas interessadas devem preencher este formulário.

Também a The Inventors acaba de lançar uma plataforma gratuita online para pôr as crianças portuguesas a “inventar” a partir de casa. Dirigido a crianças com idades entre os 6 e os 12 anos, e usando matérias-primas como esparguete, fita-cola, fio e algodão, as crianças podem construir o seu projeto de estreia na The Inventors Digital. Todas as semanas, a empresa lança um novo desafio que poderão ser resolvidos com materiais que normalmente já existem em casa.

Assembly ensina tecnologia à distância

Para ajudar as crianças e jovens, dos 10 aos 17 anos, a continuar a aprender tecnologia, a escola de atividades de atividades extracurriculares tecnológicas Assembly vai lançar a campanha “Não estás de férias”. Durante a campanha, é possível escolher entre as disciplinas que a escola oferece (robótica, design, criação de jogos e apps), e ter acesso a um curso de uma semana por 101 euros. Durante cinco dias, a escola disponibiliza uma hora de formação por dia. O curso dá acesso a uma hora de formação, em direto, uma componente prática e acesso a uma plataforma colaborativa virtual.

Estudar e desenvolver projetos online

Para os alunos que têm aulas à distância, a plataforma tecnológica portuguesa DreamShaper é uma alternativa de organização e construção de projetos escolares, tanto para alunos como para professores. Aos alunos, permite-lhes construir projetos relacionados com os temas que estão a aprender nas suas aulas e, a quem leciona, permite estar a par de toda a evolução do aluno.

“A plataforma aposta na autonomia e motivação dos alunos para o desenvolvimento dos seus projetos, guiando-os passo a passo pela metodologia de trabalho e fornecendo-lhes conteúdos de apoio ao longo do caminho. Por outro lado dá ferramentas ao professor para acompanhar, orientar e avaliar o trabalho dos seus alunos”, explica a DreamShaper, em comunicado. Os conteúdos podem ser adaptados de acordo com os programas definidos por cada escola.

Para os pais que terão de ficar em casa com os filhos, o primeiro-ministro garantiu que será criado um “mecanismo” especial para assegurar o pagamento parcial dos salários. Nesse sentido, o governo decidiu que todos os trabalhadores por conta de outrem que tenham de ficar em casa a acompanhar os filhos até 12 anos vão receber 66% da remuneração-base, metade a cargo do empregador e outra metade da Segurança Social.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

E-learning? Como pôr as crianças a aprender a partir de casa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião