• Reportagem por:
  • Lusa

Serviço de correio em tascos e papelarias agrada a uns e é censurado por outros

Dados oficiais indicam que há 2.386 postos de CTT em Portugal por onde passam “mais de 100 mil clientes por dia” e que o plano de encerramento fechou 53 lojas até ao momento.

Os CTT fecharam 53 lojas este ano e abriram 70 postos em lugares “caricatos” como tascas, cafés ou papelarias e se há clientes satisfeitos, outros censuram a falta de “confidencialidade” a que está obrigado o Serviço Postal Universal.

Entre uma cerveja vendida no mesmo balcão onde também é feito o levantamento de uma encomenda postal ou o pagamento da água, a vida corre normal em Livração, uma freguesia de Marco de Canaveses, no norte do país. Ali, o Serviço Postal Universal (SPU) é assegurado ao balcão do Café Desportivo, onde se servem cafés, sumos e torradas a clientes como Manuel Andrade, de 86 anos de idade, e que encara com satisfação o serviço “dois em um” daquele estabelecimento.

Do lado esquerdo é para o correio, do lado direito é para pedir bebidas”, resume Manuel Andrade, explicando que se houver alguém a quebrar a confidencialidade do SPU, “o senhor do café impõe respeito”.

Amadeu Costa, 74 anos, também coabita sem constrangimentos entre cartas e encomendas e o tilintar das xícaras de café e cervejas. “Convivo bem com isso, porque também gosto de cerveja. Também gosto de parar no café, jogar à sueca e aquilo não estorva ninguém”.

Ana Ribeiro, 25 anos, considera que em Livração o mais importante é ter os CTT próximos da população, numa “zona de passagem” e não vê problemas em ter correio e café em simultâneo.

O coordenador da Associação Nacional de Freguesias (ANAFRE) do Porto, Nuno Fonseca, alega que a abertura de postos dos CTT em lugares “caricatos” é preocupante.

Temos casos que são caricatos: em lojas de seguros, no supermercado, no café, na papelaria. Quase dito de forma anedótica: no meio de dois cafés e de uma cerveja faz-se um registo de uma correspondência ou entrega-se um avisado. É preocupante”, considera Nuno Fonseca.

Para a ANAFRE, a principal preocupação do plano de encerramento de lojas CTT, em curso desde 2014, é a “perda do serviço público”.

Ainda no norte, na sede do concelho de Paredes, nasceu um posto dos CTT na Papelaria Cunha, a cerca de 200 metros de distância de uma loja/banco CTT. Rosa Maria, dona da Cunha, conta que cartas, encomendas e “tudo o que seja avisado” passou em junho de 2017 para o seu estabelecimento. Questionada sobre porque presta um SPU numa papelaria junto de uma loja CTT, a proprietária apenas afirma que se trata de uma “mais-valia”, porque o horário é muito mais flexível” para os clientes.

À Lusa, os CTT referem que têm vindo a “reforçar o número de pontos, mantendo a capilaridade da rede para responder com qualidade às necessidades dos clientes e a proximidade às populações, dinamizando a economia local nos casos de associação com parceiros privados”. Fonte oficial dos CTT acrescenta que “todas as lojas prestam o serviço de entrega avisados, quer sejam registos, objetos volumosos e encomendas”.

Mas Susana Costa, cliente na Cunha, revela que não conseguiu pagar uma multa de trânsito na loja dos CTT, tendo sido reencaminhada para a papelaria. Adelina Pinto, cliente da papelaria, também considerou que o “sigilo” e a “confidencialidade”, a que está obrigado o SPU, poderá não estar assegurado com o nascimento de postos dos CTT em sítios diferentes dos tradicionais. “Acho mais constrangedor”, lamentou Adelina Pinto, que considera “estranho” não ter conseguido levantar uma encomenda na loja/Banco CTT de Paredes, tendo sido reencaminhada para o posto.

Dados oficiais indicam que há 2.386 postos de CTT em Portugal por onde passam “mais de 100 mil clientes por dia” e que o plano de encerramento fechou 53 lojas até ao momento.

À Lusa, os CTT indicaram que o plano não está fechado relativamente a substituições, porque a avaliação da rede de retalho é “permanente”. “Temos avançado com algumas dezenas de substituições, sendo o ritmo mais acelerado até ao final deste ano, para em 2019 arrancar a nova fase de investimento na operação postal e logística”, declaram os CTT.

A fase do plano de encerramento pode ficar “concluída até ao final do ano”, mas os CTT assumem que 2019 e 2020 podem ser anos em que existam “substituições pontuais” em casos que considerem mais vantajoso ter um posto de correio.

O secretário de Estado das Infraestruturas, Guilherme d’Oliveira Martins, que tem a tutela das comunicações, já veio a público avisar que o Governo não iria tolerar “margem” de “incompetência” ou “incumprimento” no SPU.

A Lusa tentou saber junto dos CTT quantas lojas encerraram no norte do país, mas fonte oficial apenas disse que não tinham desagregado esses valores”.

  • Lusa

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Serviço de correio em tascos e papelarias agrada a uns e é censurado por outros

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião