Banco de Portugal: BCE vai comprar dívida portuguesa até final do programa

O Banco de Portugal desmente escassez de títulos elegíveis para compras do BCE. O risco de Portugal alivia no mercado.

O Banco de Portugal assegura que as compras de dívida portuguesa por parte do Banco Central Europeu (BCE) estão longe de alcançar qualquer limite. E garantiu que a instituição liderada por Mario Draghi vai continuar a comprar títulos portugueses até, pelo menos, março de 2017.

Com o ritmo de compra de dívida portuguesa por parte do banco central a desacelerar nos últimos meses, alguns analistas colocaram a hipótese de o BCE poder vir a enfrentar dificuldades com uma possível escassez de títulos elegíveis para compras até final do ano.

Neste cenário, a perceção de risco de Portugal junto dos investidores agravou-se nas últimas semanas, especialmente depois de a autoridade monetária do euro ter revelado no início do mês que não discutiu qualquer extensão do programa de compra de ativos no setor público, que termina no final do primeiro trimestre do próximo ano.

Em resposta a questões da Reuters, o Banco de Portugal afastou esse cenário de dificuldades do BCE, adiantando que “a disponibilidade de dívida portuguesa para compra está longe de alcançar o seu limite” e que a flexibilidade programa garante compras mensais de 80 mil milhões de euros em toda a zona da moeda única.

As atuais regras do plano de compras determinam que o banco central não pode deter mais de 33% de uma linha de obrigações ou de 25% para títulos com cláusulas de ação coletiva que poderiam fazer da posição do BCE uma minoria de bloqueio em caso de reestruturação.

"A disponibilidade de dívida portuguesa para compra está longe de alcançar o seu limite.”

Banco de Portugal

Reuters

No caso de Portugal, Cristina Casalinho, presidente do IGCP, adiantou em entrevista ao Jornal de Negócios que menos de 50% do total da dívida direta do Estado, que totalizava cerca de 236 mil milhões de euros no final de junho, correspondiam a obrigações elegíveis para compras do BCE.

Em todo o caso, o Banco de Portugal sustentou que “emissões de nova dívida vão permitir aumentar o montante de dívida disponível para compra”. E afirmou ainda que “em caso de uma possível extensão do programa de compra de ativos, a dívida portuguesa pode ser adquirida no âmbito do modelo atual, o que significa que a emissão de dívida pública estará elegível para o programa de compras do setor público até a um limite estabelecido por instrumento”.

Os juros associados à dívida portuguesa desciam hoje em praticamente todos os prazos, com a ‘yield’ da dívida a dez anos, a referência no mercado, a cair para os 3,39%, depois de ter escalado para máximos de sete meses na semana passada. Também o prémio de risco de Portugal descia face à dívida alemã após ter registado na sexta-feira o pico mais elevado desde meados de junho.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Banco de Portugal: BCE vai comprar dívida portuguesa até final do programa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião