Dijsselbloem: Deutsche Bank não vai ser ajudado

O Deutsche Bank está e tem de trabalhar sozinho na resolução do problema da multa norte-americana, afirmou o líder do Eurogrupo esta sexta-feira.

Os problemas do Deutsche Bank são resolvidos pelo próprio banco alemão. É pelo menos nisso que acredita o presidente do Eurogrupo. Jeroen Dijsselbloem assegurou que “existem várias possibiilidade para isso [resolver o problema] e eles [Deutsche Bank] estão a trabalhar nisso”, referiu aos jornalistas em Haia, no parlamento holandês, esta sexta-feira, segundo a Bloomberg.

"O Deutsche Bank tem de pôr a casa em ordem por si próprio”

Jeroen Dijsselbloem, presidente do Eurogrupo

As declarações são do presidente do Eurogrupo, o órgão informal que precede o Ecofin, e também ministro das Finanças da Holanda. E seguem a linha do que já tinha dito o ministro das Finanças alemão, Wolfgang Schäuble, e o Baffin, entidade que regula e fiscaliza os bancos privados da Alemanha.

A mesma recusa de um resgate tinha sido dada pela chanceler alemã Angela Merkel. Conclusão: não há plano de emergência alemão ou europeu a caminho.

O problema começou com uma multa de 12,5 mil milhões de euros para encerrar um processo ligado aos créditos imobiliários de baixa qualidade que provocaram a crise do subprime.

A exigência das autoridades norte-americanas fizeram cair as ações do banco alemão a pique. Na segunda-feira o colapsou retirou 10 mil milhões de euros, em valor de mercado, ao índice da banca da Zona Euro.

Editado por Mariana de Araújo Barbosa.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Dijsselbloem: Deutsche Bank não vai ser ajudado

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião