BCP dispara 9% com via aberta para os chineses da Fosun

Ações do banco estiveram em destaque em Lisboa perante a maior probabilidade de os chineses da Fosun entrarem no capital da instituição. Lisboa e Europa também somam ganhos.

Foi o melhor desempenho em Lisboa. O Banco Comercial Portugal disparou 9,44% até aos 0,017 euros, um máximo de mais de um mês. Durante a sessão, as ações da cotada liderada por Nuno Amado estiveram a subir mais de 10%, depois de ontem o banco ter comunicado ao mercado a convocatória de uma assembleia geral de acionistas para dia 9 de novembro, com vista a aprovação do aumento do limite de votos para 30% e ainda do número de administradores, duas condições essenciais para os chineses da Fosun assumirem parte do capital da instituição portuguesa.

Estas medidas vão abrir caminho para que a Fosun se torne num acionista do banco português e “parece haver cada vez mais interesse nas ações do BCP“, diz o analista do CaixaBI André Rodrigues. “Aumentar o limite de votos e o número de membros do conselho de administração do BCP para incluir pelo menos dois novos executivos eram duas das condições condições da Fosun para se tornar numa acionista importante”, diz o analista.

O BCP alcançou mesmo o melhor desempenho em Lisboa. O PSI 20, o principal índice português, fechou a ganhar 1,71% até aos 4.678,43 pontos, impulsionado ainda pelo ganho de 2% dos CTT — continuam em recuperação após atingir mínimos abaixo do preço da Oferta Pública de Venda –, e pelas valorizações dos pesos pesados Galp e Jerónimo Martins.

Lisboa acompanhou os ganhos na Europa, onde os ganhos foram também expressivos: O IBEX 35 de Madrid ganhou 1,45%, CAC 40 e Dax 30 avançaram em torno de 1,2% e o Mib Milão ganhou mais de 2%.

(notícia atualizada às 17h23)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

BCP dispara 9% com via aberta para os chineses da Fosun

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião