Renegociação das PPP só gera poupança de 10%

Governo critica a projecção de poupança de sete mil milhões de euros com a renegociação das PPP feita por Passos Coelho. Pedro Marques diz que, na melhor das hipóteses, a poupança será de 10%.

São valores “propagandísticos”. É desta forma que o ministro do Planeamento e Infraestruturas classifica a previsão de poupança com a renegociação das Parcerias Público Privadas (PPP). O valor em causa são sete mil milhões de euros e foi avançado pelo Governo de Pedro Passos Coelho durante a campanha eleitoral.

Pedro Marques garante que, “na melhor das hipóteses, conseguimos chegar a poupanças que seja cerca de 10% dos valores que o Governo anterior referenciava”. Na conferência de imprensa de apresentação do Orçamento do Estado do seu ministério, o responsável lembrou que ainda é necessário ter em conta ” as partilhas de benefícios a evolução futura dos tráfegos”. “Teremos muito para analisar nos próximos anos”, concluiu.

Conferência Pedro Marques

O ministro revelou ainda que está bem encaminhada a renegociação das concessões no Alentejo e no Algarve. “São esses que estão mais avançados”, garante o ministro, dando como exemplo, de uma renegociação que estava “longe de estar concluída”.

“Estamos com várias frentes de negociação abertas mas esta, em particular, exigiu muito trabalho ao longo deste ano porque era, ao contrário do que nos foi dito, o exemplo de uma negociação estava muito longe de estar concluída. Foi preciso renegociar alguns dos termos da parceria, obter autorização dos bancos financiadores da parceria e hão de ser necessários os pareceres finais do IMT e o visto do Tribunal de Contas”, sublinhou.

No caso específico das concessões do Alentejo e do Algarve “era agir muito depressa porque havia o risco da concessionária não estar em condições de concluir as obras que estavam previstas”, devido ao “atraso sucessivo no processo de negociação e conclusão da mesma”.

Recorde-se que, no Relatório do Orçamento do Estado, o Governo prevê uma diminuição da fatura com as PPP de 1.731 para 1.684 milhões de euros, fruto, essencialmente, da redução de 52 milhões de euros no que respeita às PPP rodoviárias.

 

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Renegociação das PPP só gera poupança de 10%

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião