PSD quer limitar salários dos gestores da CGD

Sociais democratas querem repor obrigações de transparência na Caixa, a exemplo do que acontece com outros gestores públicos.

O PSD está a preparar uma iniciativa legislativa com o objetivo de repor limites aos salários de gestores na Caixa Geral de Depósitos e que corrija a lacuna que existe na lei atual que permite que os novos administradores do banco público não apresentem declarações de rendimentos ao Tribunal Constitucional, à Inspeção Geral de Finanças e à PGR. A notícia está a ser avançada pelo Expresso que cita fonte autorizada da bancada parlamentar do PSD.

O PSD entende que a obrigatoriedade de declaração de rendimentos, património e interesses aplicáveis aos gestores públicos devem estender-se a António Domingues e à sua equipa. A iniciativa do PSD deverá estender-se também ao vencimento da nova administração da CGD.

O governo alterou em Julho o decreto lei que visa os gestores públicos da obrigatoriedade de apresentarem três declarações (Tribunal Constitucional, Inspeção Geral de Finanças e PGR) tendo ao abrigo dessa alteração deixado de fora os administradores do banco público. Um regime de exceção que o PSD quer ver agora corrigido.

A notícia surge no seguimento da denúncia feita por Marques Mendes no seu comentário habitual na SIC, ao invocar o tratamento excecional que a lei concede à nova administração da Caixa e depois da acesa troca de palavras entre o líder do PSD, Pedro Passos Coelho e António Domingues.

O ex-primeiro Ministro acusa António Domingues de ter tido acesso a informação privilegiada, tendo com essa informação realizado o plano de capitalização da CGD ainda antes de tomar posse. António Domingues, por seu turno, acusa Passos Coelho de estar a faltar à verdade e afirma que foi usada apenas informação pública.

O salário do novo presidente da Caixa, de 423 mil euros, está a gerar polémica desde que Mário Centeno o revelou no parlamento. A atual administração do banco público irá ganhar mais do dobro da que auferia a administração presidida por José de Matos.

 

 

 

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

PSD quer limitar salários dos gestores da CGD

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião