China puxa por Wall Street

Os bons indicadores revelados na China permitiram um arranque positivo às bolsas dos EUA. Estão a sobrepor-se aos receios em torno do resultado da reunião da Fed.

As bolsas norte-americanas arrancaram a sessão em terreno positivo. Estão a valorizar, animadas pela divulgação de indicadores macroeconómicos positivos por parte da segunda maior economia do mundo, a da China.

O S&P 500 abriu a sessão a ganhar 0,15%, já o Dow Jones somava 0,18%. O Nasdaq, o índice tecnológico norte-americano, estava a ganhar 0,21%. Arrancaram, assim, os três no verde na primeira sessão de novembro.

A China revelou que a produção industrial do país registou um forte crescimento em outubro. O indicador cresceu ao ritmo mais elevado em dois anos, aliviando os receios dos investidores quanto ao ritmo de crescimento da economia mundial.

Ao mesmo tempo, com o petróleo a valorizar, as bolsas norte-americanas estão a beneficiar da valorização dos títulos do setor petrolífero. Isto acontece no dia em que houve uma explosão num dos oleodutos mais importantes nos EUA, interrompendo o fornecimento de combustíveis.

Estes fatores estão a permitir ganhos nas bolsas, retirando, para já, o foco dos investidores da reunião da Fed. A decisão sobre a taxa de juro será revelada esta quarta-feira, não sendo expectável uma subida mas antes um sinal claro de que a taxa de referência vai ser revista em alta na reunião de dezembro.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

China puxa por Wall Street

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião