EUA cada vez mais perto do pleno emprego

A taxa de desemprego norte-americana baixou para 4,9% em outubro. Ainda assim, a criação de postos de trabalho ficou aquém do esperado.

A taxa de desemprego norte-americana baixou para 4,9% em outubro, mês em que a maior economia do mundo criou 161 mil postos de trabalho. Ainda assim, apesar de estar perto da situação de “pleno emprego”, foram adicionados menos empregos do que o esperado pelos economistas sondados pela Bloomberg.

A expectativa dos especialistas apontava para 173 mil novos empregos no mês passado, pelo que o número divulgado esta sexta-feira pelo Departamento do Trabalho norte-americano não deixa de ser uma má notícia. Além disso, em setembro, haviam sido criados 191 mil novos trabalhos.

“À medida que o mercado de trabalho aperta, as empresas vão ter de disponibilizar cada vez mais recursos para contratar trabalhadores”, referiu Stephen Stanley, economista-chefe da Amherst Pierpoint Securities, à Bloomberg. “Estamos muito perto do pleno emprego“, reforçou este especialista.

"À medida que o mercado de trabalho aperta, as empresas vão ter de disponibilizar cada vez mais recursos para contratar trabalhadores. Estamos muito perto do pleno emprego”, reforçou este especialista.”

Stephen Stanley

Economista-chefe da Amherst Pierpoint Securities

Com a evolução relativamente positiva do mercado laboral norte-americano em outubro fica mais provável uma subida dos juros da parte da Reserva Federal norte-americana em dezembro. A instituição liderada por Janet Yellen decidiu, esta quarta-feira, manter as taxas de juro, mas salientou que os argumentos para uma subida dos custos dos empréstimos estão a ser reforçados face à aceleração da inflação.

Apoie o jornalismo económico independente. Contribua

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso. O acesso às notícias do ECO é (ainda) livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo rigoroso e credível, mas não só. É continuar a informar apesar do confinamento, é continuar a escrutinar as decisões políticas quando tudo parece descontrolado.

Introduza um valor

Valor mínimo 5€. Após confirmação será gerada uma referência Multibanco.

Comentários ({{ total }})

EUA cada vez mais perto do pleno emprego

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião