Surf Summit. Fazer negócios na crista da onda

Nos dois dias que antecedem o Web Summit, duas centenas de pessoas aproveitaram para surfar na Ericeira. As ondas são boas conselheiras de negócios?

Muitos conhecem-se enquanto vestem os fatos de surf sob um céu cinzento de início de novembro. Na praia da Foz do Lizendro, na Ericeira, está tudo preparado para o que aí vem e só falta chegar a caravana oficial do Web Summit. O evento, que arranca esta segunda-feira, traz a Lisboa mais de 50.000 pessoas de mais de 145 países do mundo.

Dois dias antes, hão de chegar — e equipar-se a preceito — os cerca de 200 ‘surfistas’, entre CEOs, investidores e empreendedores do Web Summit, que aproveitam os dias de fim de semana que antecedem o evento para ir adiantando trabalho: qualquer minuto conta quando se trata de fazer negócio.

“Tenho a certeza que vai acontecer gente fechar negócios enquanto faz surf. Tenham cuidado com a prancha”, diz Paddy Cosgrave, CEO e cofundador da maior conferência de tecnologia e empreendedorismo do mundo, nas declarações à chegada da praia da Ericeira.

O irlandês chega à Foz do Lizandro na autocaravana que percorreu a Europa até chegar a Lisboa, o último destino antes do MEO Arena. “Espero que as pessoas aproveitem, se divirtam, apanhem boas ondas. O tempo não é o que mais importa: o que importa é apanhar boas ondas e conhecer gente de todo o mundo”, simplifica.

Este ano, o primeiro em que o Web Summit decorre em Portugal, a organização do evento decidiu antecipar os dois dias de ondas e surf para uma parte dos participantes. A ideia, entre fatos térmicos e pranchas de surf, é tratar de negócios. E pensar no impacto que um evento desta dimensão terá aos olhos do mundo, sobretudo depois de terminar.

Surf Summit

“Temos de pensar no impacto a médio e longo prazo. É natural que as pessoas pensem que isto é ótimo para os hotéis, é bom para os restaurantes, para os taxistas. Mas acho que é preciso pensar a longo prazo: de que maneira é que o Web Summit pode mudar a perceção de Portugal no mundo?”, remata.

“Se olharmos para o que o The Guardian escreveu há dias, e para o que outros meios como a Reuters ou a France Press também publicaram na última semana, há qualquer coisa a fazer brilhar Portugal que parece que nunca existiu até agora. É muito positivo. E depois também falando do impacto que o Web Summit pode ter nas pessoas mais novas — integradas no Inspire Portugal — que podem encontrar-se com alguns dos CEOs mais inovadores do mundo, e ver o quanto são normais. Talvez tenham estudado muito, talvez não, mas essa proximidade pode fazê-los acreditar que também são capazes. Se não estamos expostos a estas pessoas, é muito difícil imaginarmo-nos engenheiros no Facebook ou a construir uma empresa como a Uber”, explica Cosgrave.

Mais do que apanhar ondas

João Vasconcelos, secretário de Estado da Indústria, aproveitou a boleia da autocaravana do Web Summit para, ao lado de Paddy Cosgrave, apresentar a nova campanha “This is Portugal”, criada especificamente para os dias do evento.

Campanha This is Portugal foi lançada no sábado que antecedeu o Web Summit
Campanha This is Portugal foi lançada no sábado que antecedeu o Web SummitMariana de Araújo Barbosa/ECO

“O Web Summit é uma boa demonstração de que temos uma identidade própria. Vimos na semana passada a Reuters, a France Press, o Guardian, a dizer que Portugal e Lisboa são a próxima Silicon Valley, a próxima Berlim ou a próxima qualquer coisa. Nós queremos dizer que não somos melhores nem piores do que Berlim ou do que Silicon Valley, mas somos diferentes, temos a nossa identidade. E uma das coisas que nos caracteriza é esta: estarmos a meia hora do aeroporto internacional, a meia hora da capital do país e podermos estar numa praia deserta a fazer surf em novembro. E isto não é possível em mais país nenhum: isto é Portugal“, diz Vasconcelos.

Na opinião do secretário de Estado da Indústria, Portugal deve apresentar-se ao mundo a partir de todas as coisas boas que tem. “Isto é muito importante nas empresas, isto atrai e retém talento. A coisa mais importante que uma empresa com base tecnológica e científica tem é o seu talento, os seus recursos humanos. Isto permite atrair estrangeiros de todo o mundo para viverem e para usufruírem disto. Da natureza, de parques naturais. Isto faz parte da nossa identidade. É muito estranho um secretário de Estado da Indústria estar numa praia, na areia, a dizer que o surf é importante para atrair investimento para Portugal. Mas garanto-vos que isto é fundamental para reter e atrair talento. E a única coisa que estas indústrias tecnológicas e científicas querem é atrair talento: e isto serve para atrair engenheiros da Suécia, da Dinamarca, da Holanda, a vir viver para Portugal”, detalha.

Há qualquer coisa a fazer brilhar Portugal que parece que nunca existiu até agora.

Paddy Cosgrave

CEO Web Summit

O Governo apresenta esta segunda-feira a criação de um novo fundo de cofinanciamento — 200M — no valor de 200 milhões de euros para investir em startups, em conjunto com privados. O valor eleva para 400 milhões o investimento do Governo em empreendedorismo no próximo ano. Esta, assegura João Vasconcelos, é onde o Estado pode “ajudar e participar”.

“O resto faz parte da nossa história e da nossa identidade. Qualquer pessoa de qualquer país ou religião sente-se bem em Portugal. É a nossa cultura, nossa maneira de ser. E isso hoje é muito valorizado neste género de economia e de empresas. Queremos aproveitar o palco do Web Summit — 2.000 jornalistas, 50.000 pessoas — para mostrar o que é Portugal. E Portugal está a apresentar-se ao mundo com orgulho na sua história, com vontade de participar no futuro e com a geração mais qualificada de sempre a querer participar no futuro”, acrescenta.

“Para quase todas as empresas que têm tecnologia como base, Portugal é um ótimo local porque a matéria-prima está nos recursos humanos, está na segurança, no ambiente, na natureza, na estrutura tecnológica. E nós aí somos muito competitivos com outros países: começou a acontecer com multinacionais, depois com médias empresas e startups. Mas nós queremos mais. É algo em que Portugal e realmente diferente de outros países, algo que Portugal sabe que faz parte da nossa identidade. E há muitos países que, por muito que promovam isso, não faz parte da identidade deles. Temos que ter orgulho no que é nosso e é assim que vamos apresentar-nos no Web Summit, com muito orgulho e a divulgar”, acrescenta Vasconcelos.

A linha de 400 milhões será cofinanciada pelo Governo e por investidores privados, ou seja, 200 milhões serão dinheiro públicos e outros 200 milhões virão dos privados. Em entrevista ao Jornal de Negócios e à Antena 1, também este sábado, João Vasconcelos explica que este financiamento irá privilegiar gestoras de capital de risco com experiência em áreas específicas.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Surf Summit. Fazer negócios na crista da onda

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião