Quebra nas empresas trava crédito à economia

O crédito às empresas recuou 9% nos primeiros nove meses do ano, para níveis historicamente baixos, mostram dados do Banco de Portugal.

Contrariando aquele que é o objetivo do Banco Central Europeu, os níveis de concessão de novos crédito às empresas continuam a cair. Dados disponibilizados hoje pelo Banco de Portugal, indicam que nos primeiros nove meses deste ano, os bancos portugueses emprestaram um total de 22.217 milhões de euros ao setor empresarial. Trata-se do montante mais baixo, em termos homólogos, face ao histórico disponibilizado pela entidade liderada por Carlos Costa que remonta ao início de 2003.

O novo crédito às empresas caiu 9%, face aos 24.533 milhões de euros concedidos no período homólogo do ano passado, com a quebra a ser transversal aos diferentes segmentos de empresas. Nos nove primeiros meses de 2016, as pequenas e médias empresas financiaram-se em 13,1 mil milhões de euros junto da banca, enquanto as empresas de maior dimensão foram buscar 9,2 mil milhões de euros. Menos 5% e 14%, respetivamente, face ao período homólogo.

Em termos agregados, 2016 trata-se do terceiro ano consecutivo em que os bancos concedem menos financiamento às empresas, com este segmento a ser o principal responsável pela redução do crédito à economia portuguesa nesse período, já que do lado das famílias a tendência é de subida. Em termos agregados, este ano, os bancos concederam às empresas e às famílias, um total de 30,7 mil milhões de euros. Este valor fica 1,43% aquém face aos 31,1 milhões de euros de financiamento prestados em igual período do ano passado, e é o mais baixo, tendo em conta o histórico do Banco de Portugal que se inicia em janeiro de 2013.

Os especialistas encontram no aumento da perceção do risco relativamente à dívida portuguesa e também na quebra no investimento, grande parte da justificação para a diminuição dos níveis de concessão de financiamento às empresas registado este ano.

Na prática, isto significa que a política expansionista levada a cabo pela entidade liderada por Mario Draghi, que tem como uma das suas principais bandeiras o nível historicamente reduzido de juros, não está a ter o efeito desejado na promoção do crescimento da atividade económica do país pela via do crédito às empresas.

Apoie o jornalismo económico independente. Contribua

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso. O acesso às notícias do ECO é (ainda) livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo rigoroso e credível, mas não só. É continuar a informar apesar do confinamento, é continuar a escrutinar as decisões políticas quando tudo parece descontrolado.

Introduza um valor

Valor mínimo 5€. Após confirmação será gerada uma referência Multibanco.

Comentários ({{ total }})

Quebra nas empresas trava crédito à economia

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião