Sonangol quer ter mais de 20% do BCP

A Sonangol tem 18% do capital do BCP, mas pediu autorização ao BCE para ultrapassar a barreira dos 20% e manter, assim, a relação de forças com a Fosun, que deverá ser novo acionista do banco.

A Sonangol, presidida por Isabel dos Santos, quer ter mais de 20% do capital do Millennium bcp e por isso já fez chegar ao BCE um pedido formal de autorização, sabe o ECO.

A petrolífera angolana é a maior acionista do banco liderado por Nuno Amado, com cerca de 18% do capital, mas a entrada dos chineses da Fosun no capital vai alterar esta relação de forças. A confirmarem-se as condições de entrada dos chineses, passarão a ser os maior acionistas e, a prazo, poderão chegar aos 30% do capital.

Aliás, os acionistas do BCP estão neste momento reunidos em assembleia geral para aprovar o aumento da blindagem de estatutos do bancos, dos atuais 20% para os referidos 30%, uma das sete condições impostas pela Fosun para passar a ser acionista de referência.

Oficialmente, ninguém comenta o pedido da Sonangol, mas a verdade é que o ponto relativo à blindagem de estatutos foi adiado para 21 de novembro e, de acordo com fontes que acompanham esta operação, a razão, ou uma delas, está relacionada com a necessidade de esperar pela aprovação do BCE.

A Fosun, recorde-se, enviou um comunicado à CMVM, no dia 30 de julho, no qual assume o interesse em entrar no BCP. De acordo com o referido comunicado ao mercado, a empresas chinesa “propõe-se subscrever um aumento de capital reservado unicamente à Fosun, a deliberar pelo Conselho de Administração do BCP ao abrigo da aprovação dos acionistas na assembleia geral do passado dia 21 de abril, através da qual, aos níveis atuais, a Fosun passaria a deter uma participação de aproximadamente 16,7% do total de ações representativas do capital social do BCP”.

No mesmo comunicado, a Fosun já admitia aumentar a sua participação, em modo a decidir, nomeadamente um novo aumento de capital, para chegar a uma posição entre 20% e 30%.

Contactado pelo ECO, o Banco Central Europeu não respondeu.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Sonangol quer ter mais de 20% do BCP

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião