Marcelo: “2016 é um ano histórico para o turismo”. Mas não pode ser “epifenómeno”

É preciso apostar na "diferenciação, na qualidade, na formação, na inovação, na promoção do património natural e cultural", defende o Presidente da República.

O ano que está quase a terminar foi “histórico” para o turismo, mas é preciso assegurar que o crescimento será sustentado. A mensagem é de Marcelo Rebelo de Sousa e foi transmitida no 28º Congresso Nacional da Hotelaria e Turismo.

“2016 é um ano histórico para o turismo português. Os números que conhecemos são francamente positivos, mas o mais importante é assegurar que não se trata de um epifenómeno, fortalecendo as bases para um crescimento a ritmo forte e sustentado em todo o território nacional e em todas as épocas do ano”, transmitiu o Presidente da República, numa mensagem escrita que foi lida por Cristina Siza Vieira, diretora executiva da Associação da Hotelaria de Portugal (AHP).

Para isso, sublinhou, é preciso apostar na “diferenciação, na qualidade, na formação, na inovação, na promoção do património natural e cultural”.

No fim, “o desafio da subida na cadeia de valor e da reinvenção deste setor passa por funcionarmos melhor em rede, em sinergia com outros setores da economia e sociedade e com uma visão estratégica para o turismo e para a cultura — não só devido ao peso crescente do turismo no PIB e nas exportações, mas também pelo efeito na auto-estima do povo e no maior orgulho nos produtos e serviços feitos em Portugal”.

Marcelo Rebelo de Sousa salientou ainda que já “há motivos para estarmos confiantes no futuro“, mas que os recordes alcançados trazem aos operadores do turismo “uma responsabilidade acrescida para que o aumento da receita se traduza em melhoria contínua na gestão, na formação e ainda melhor serviço”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Marcelo: “2016 é um ano histórico para o turismo”. Mas não pode ser “epifenómeno”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião