Nova presidente pede ao Governo melhores salários na CMVM

Gabriela Figueiredo Dias aproveitou a tomada de posse enquanto presidente da CMVM para pedir ao Governo melhores condições para atrair recursos humanos para o regulador do mercado.

Gabriela Figueiredo Dias aproveitou a presença do ministro das Finanças, Mário Centeno, na tomada de posse enquanto nova presidente da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), para pedir ao Governo melhores condições para poder atrair talento para o regulador do mercado de capitais português. Sem isso, frisou Figueiredo Dias, o regulador dificilmente poderá cumprir o seu papel de forma exigente em tempos de elevada desconfiança dos investidores em relação aos mercados financeiros.

“Não atravessamos momentos pacíficos. A euforia bolsista se esvaiu, os investidores afastam-se, a liquidez reduz-se. O mercado português tem sido particularmente afetado. (…) Às dificuldades e incertezas já acima enunciadas juntam-se um contexto económico deprimido e instável”, frisou Gabriela Figueiredo Dias. “Para responder a estes desafios, a CMVM precisa de recursos adequados, sobretudo humanos. É uma das principais dificuldades com que a CMVM se tem deparado nos últimos anos”, acrescentou a nova líder do regulador português.

20161130092108_dr8a1407
Gabriela Figueiredo Dias tomou hoje posse como presidente da CMVM. (Foto: Paula Nunes/ECO)

Para atrair talento — e evitar “o êxodo de colaboradores” que a CMVM assistiu nos últimos anos –, Gabriela Figueiredo Dias foi clara: quer remuneração competitiva e em linha com o mercado para os trabalhadores da instituição, formação adequada e planos de carreira efetivos com base no mérito profissional.

“Se não formos capazes de atrair e reter as pessoas indispensáveis para protegermos as outras pessoas, aquelas para quem fazemos a supervisão, dificilmente a CMVM cumprirá o seu papel de proteção dos investidores, salientou ainda, numa cerimónia que teve lugar no Ministério das Finanças, em Lisboa, em que também Filomena Oliveira (vice-presidente) e Rui Pinto (vogal) tomaram posse.

Na intervenção, Gabriela Figueiredo Dias elencou quatro desafios prioritários que terá de resolver no seu mandato:

1. Proteção e retoma da confiança dos investidores

“Há muito a fazer”. Foi assim que Gabriela Figueiredo Dias abordou o primeiro dos objetivos delineados para o seu mandato. “Os investidores ainda carecem de informação clara”, precisou.

Para a nova líder da CMVM, “a confiança ganha-se com a formação dos investidores” e, nesse sentido, o regulador vai promover programas de educação financeira tanto para investidores como para as empresas emitentes. Ainda assim, destacou o papel essencial dos auditores, a quem cabe “garantir o rigor e veracidade da informação institucional”. “São os guardiões últimos da credibilidade do mercado”, disse.

2. Promoção e acesso aos mercados

Figueiredo Dias destacou ainda o “escasso uso do mercado para acesso de financiamento das empresas” como prioridade. Promete promover programas de educação específicos no apoio às pequenas e médias empresas. Além disso, também há trabalho a fazer na legislação: “cortar nos encargos que se exigem para acesso ao mercado de capitais” e reduzir a redundância da atual legislação e melhorar a rapidez de resposta da CMVM.

3. Cooperação com outros supervisores nacionais e internacionais

Segundo Gabriela Figueiredo Dias, “a confiança do mercado depende cada vez mais da troca de informações entre supervisores e reguladores internacionais“. Neste capítulo, disse que a CMVM vai aprofundar as relações com as outras entidades de regulação e supervisão nacionais e internacionais.

4. Reavaliação dos modelos de supervisão

“Estamos empenhados para contribuir para a construção de um modelo de supervisão melhor”, declarou ainda.

 

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Nova presidente pede ao Governo melhores salários na CMVM

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião