FMI pede a Itália para persistir nas reformas económicas

  • Lusa
  • 8 Dezembro 2016

Fundo Monetário Internacionai recomenda continuação e aumento dos esforços para melhorar perspetivas de crescimento.

O Fundo Monetário Internacional (FMI) pediu hoje a Itália que persista nas reformas económicas, apesar de ter sido derrotado, no domingo, o referendo apoiado pelo Governo.

O pedido surge depois de, na quarta-feira, a agência Moody´s ter diminuído a perspetiva da dívida soberana italiana de estável para negativa, na sequência da vitória do “não” no referendo e que pode atrasar a diminuição da dívida do país.

“Nós naturalmente tomámos nota da escolha feita pelo povo italiano no referendo sobre reformas constitucionais e institucionais”, disse o porta-voz do FMI, Gerry Rice, aos jornalistas em Washington.

E acrescentou: “Além dessa decisão, pensamos e já dissemos que é importante que a Itália continue e aumente os seus esforços de reformas para melhorar as perspetivas de crescimento e fortalecer a estabilidade económica e financeira. Por isso estamos a pedir que esse impulso de reformas continue”.

Os italianos rejeitaram no domingo com 59,95% a reforma constitucional proposta pelo primeiro-ministro, Matteo Renzi, que se demitiu na quarta-feira, após a aprovação do orçamento de Estado para 2017 pelo Parlamento.

Segundo Renzi a reforma pretendia modernizar o país, reduzir os custos da política, agilizar o processo legislativo e facilitar a estabilidade.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

FMI pede a Itália para persistir nas reformas económicas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião