Venda do Novo Banco vai trazer estabilidade financeira, acredita o FMI

A banca "continua condicionada pela falta de capital para absorver as perdas com imparidades", conclui o FMI, na declaração após a quinta missão de monitorização pós-troika.

A venda do Novo Banco, bem como os aumentos de capital a decorrerem na banca nacional, vão contribuir para o reforço da estabilidade financeira, antecipa o Fundo Monetário Internacional (FMI), na declaração feita pelos seus peritos após a quinta missão de monitorização pós-programa da troika, divulgada esta quinta-feira.

Nos dois pontos do relatório em que faz considerações sobre a situação da banca portuguesa, o FMI começa por destacar que “o sistema bancário português continua a fazer a desalavancagem, num ambiente operacional difícil”. Contudo, e apesar de os bancos “continuarem com elevada liquidez“, as “medidas de cortes de custos não foram suficientes para compensar a redução da rentabilidade, resultante das baixas margens com as taxas de juro e da baixa qualidade dos ativos”.

Feitas as contas, a desalavancagem ajudou os bancos a “reduzir os ativos ponderados pelo risco e as necessidades de capital associadas, mas a limpeza do balanço continua incompleta“. Isto porque, continua o FMI, “a herança dos ativos continua a pesar sobre os bancos”, com as provisões constituídas a revelarem-se “insuficientes para cobrir na totalidade os non-performing loans“.

Ao mesmo tempo, e apesar da estratégia das autoridades nacionais para consolidar o sistema financeiro — assente em supervisão e medidas legais e judiciais –, a banca “continua condicionada pela falta de capital para absorver as perdas com imparidades“, nota o FMI. Assim sendo, é necessária uma “abordagem proativa”, por parte dos bancos, “para acelerar o processo de se libertarem” da herança dos ativos de má qualidade, apoiada num “foco na rentabilidade, com medidas de redução que aumentem a eficiência”.

O FMI termina apontando um bom exemplo no sistema bancário nacional: “o alargamento da maturidade do empréstimo do Governo ao Fundo de Resolução retirou uma importante incerteza que os bancos enfrentavam”. Ainda sobre este assunto, o FMI conclui: “finalizar o processo de venda do Novo Banco e os aumentos de capital a decorrerem nos bancos público e privados reforçariam a estabilidade financeira e melhorariam o ambiente operacional para todos os bancos“.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Venda do Novo Banco vai trazer estabilidade financeira, acredita o FMI

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião