Novo Banco: solução até ao Natal vai ser chinesa ou americana

  • ECO
  • 5 Dezembro 2016

Os fundos China Minsheng e Lone Star têm as propostas que cumprem os requisitos do Banco de Portugal, falta saber qual vai ser o escolhido.

O Banco de Portugal quer anunciar o comprador do Novo Banco até ao Natal e já só há dois nomes na corrida, segundo escreve esta segunda-feira o jornal Público, que cita fontes do setor. O China Minsheng Financial e o fundo norte-americano Lone Star terão as propostas que mais correspondem às necessidades do Novo Banco, e os bancos portugueses estão fora da corrida.

De acordo com o Público, a proposta do China Minsheng Financial Group é de ficar com 100% do Novo Banco através de um aumento de capital, com 50% das ações garantidas, e dispersão em bolsa do remanescente ao longo dos dois anos seguintes. Já o Lone Star fica com a totalidade do Novo Banco se tiver escolha de ativos. Ambos cumprem o critério do Banco de Portugal de tirarem a instituição do estatuto de banco de transição.

A notícia avançada pelo Público vai ao encontro do comentário de domingo à noite de Marques Mendes na SIC, no qual o político disse saber que os bancos portugueses BPI e BCP “estão, na prática, fora da corrida”, por não terem propostas competitivas. Marques Mendes disse que a proposta “financeiramente mais forte” era a dos chineses do China Minsheng.

Novo Banco vende posição no estádio de Wembley

Também o Público avança hoje que o Novo Banco está a vender vários ativos não estratégicos através de um veículo designado side bank, que incluem uma participação no estádio londrino de Wembley e uma posição acionista numa autoestrada nos Estados Unidos.

Na semana passada o Novo Banco anunciara a venda, na bolsa de Casablanca, da sua posição de 2,5% no banco BMCE por 83 milhões de euros.

Apoie o jornalismo económico independente. Contribua

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso. O acesso às notícias do ECO é (ainda) livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo rigoroso e credível, mas não só. É continuar a informar apesar do confinamento, é continuar a escrutinar as decisões políticas quando tudo parece descontrolado.

Introduza um valor

Valor mínimo 5€. Após confirmação será gerada uma referência Multibanco.

Comentários ({{ total }})

Novo Banco: solução até ao Natal vai ser chinesa ou americana

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião