Altice está às compras (também) em França. A missão? Criar um império europeu

A dona da PT Portugal quer investir nos conteúdos próprios e oferecer oito novos canais aos seus clientes em França. O anúncio veio colocar pressão sobre o principal rival francês, a Vivendi.

Depois das notícias que davam conta do interesse da Altice pela Media Capital, dona da TVI, a multinacional volta agora a concentrar-se no mercado francês, onde é um dos maiores players. Tudo como parte de uma missão maior: criar um império europeu do setor das telecomunicações.

Desta vez, escreve o Financial Times, o grupo liderado por Patrick Drahi, que por cá já controla a PT Portugal, quer oferecer oito novos canais aos clientes da operadora francesa SFR, também detida pela Altice. Segundo o jornal financeiro, a ideia passa por criar canais próprios e distribuir canais de outros estúdios, de forma exclusiva.

A Altice vem, assim, colocar pressão sobre outro grande grupo francês das telecomunicações — a Vivendi, dona do Canal Plus, que tem perdido clientes e enfrentado dificuldades financeiras que já obrigaram a adiar o plano de se tornar na “Netflix da Europa”. Este ano, os prejuízos da Vivendi podem ascender a 400 milhões de euros.

O anúncio da Altice “criou um campo de batalha em França entre a Vivendi e a Altice, e traz publicidade negativa para a Vivendi e o Canal Plus”, considera um analista do BNP Paribas, citado pelo Financial Times. A pressão, aponta outro analista, surge, sobretudo, por uma mudança de paradigma: ao apostar em conteúdo próprio, a Altice deixa de estar refém da guerra de preços. “Estão a mudar as regras do jogo”, refere o analista.

Mas nem tudo são rosas para a Altice. A investida do grupo na área dos conteúdos próprios já levou a que a sua dívida líquida subisse para 49,3 mil milhões de euros, aponta ainda o jornal britânico.

Campos de batalha há muitos

Não é só em França que a guerra pelo domínio nas telecomunicações está ao rubro. O caso paradigmático é o da AT&T, que quer comprar a Time Warner por mais de 78 mil milhões de euros e posicionar-se, o mais rapidamente possível, como líder no mercado de streaming de vídeos, atualmente dominado pela Netflix.

A uma escala mais pequena, em Portugal, a guerra também está aberta, ainda que os analistas tenham dúvidas sobre o espaço que há para eventuais fusões no mercado português das telecom. Depois do interesse manifestado pela Altice na Media Capital, a Nos chegou-se à frente e assegurou estar disposta a ripostar com as mesmas armas.

“Se se confirmar que a Altice compra a TVI, e se os reguladores não fizerem nada, aceitando essa aquisição, haverá guerra, defenderemos os interesses dos nossos clientes”, disse o CEO da operadora, Miguel Almeida, em entrevista ao Expresso. Quer isso dizer, acreditam os analistas, que a Nos poderá estar interessada em comprar a Impresa.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Altice está às compras (também) em França. A missão? Criar um império europeu

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião