Unitel paga 30 milhões ao BPI pelo BFA

Está paga a última parcela da operação realizada em 2008, que ditou a venda, por parte do BPI, de 49,9% do BFA à Unitel. Por pagar estão ainda 66 milhões de euros.

A Unitel pagou ao BPI os 30 milhões de dólares (à volta de 28 milhões de euros) que ainda devia ao banco português pela compra de 49,9% do Banco Fomento de Angola (BFA), um negócio fechado em 2008. Por pagar estão ainda 66 milhões de euros, relativos a dividendos de 2014 e 2015.

“O Banco BPI informa que, em 9 de dezembro de 2016, a Unitel pagou ao Banco BPI, junto do seu banco correspondente internacional para dólares norte-americanos e nos termos previstos no Acordo Promessa de Compra e Venda de ações do BFA celebrado entre o Banco BPI e a Unitel em 9 de dezembro de 2008, o valor de 30 milhões de dólares, correspondente à última parcela do preço da operação de compra e venda de 49,9% do BFA que naquela data de 2008 foi concluída”. O anúncio foi feito esta segunda-feira, em comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

A Unitel tem ainda de pagar 66 milhões de euros em dividendos, relativos aos lucros obtidos pelo BFA em 2014 e 2015. Esse pagamento deveria ter sido feito até 9 de dezembro, mas a sua concretização não consta do comunicado agora divulgado. Contudo, tratando-se de uma remuneração a um acionista, não é obrigatório comunicar essa mesma operação na altura em que é feita.

O pagamento destes dividendos foi uma das condições que o BPI impôs à Unitel para aceitar vender à operadora angolana, controlada por Isabel dos Santos, mais 2% do capital do BFA. Com a venda destes 2%, o BPI deixa deter uma posição maioritária no banco angolano, condição exigida pelo Banco Central Europeu (BCE), que quer que o banco português reduza a exposição a Angola.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Unitel paga 30 milhões ao BPI pelo BFA

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião