CMVM decide preço da OPA ao BPI antes da AG

Decisão sobre o preço da oferta do CaixaBank para comprar o BPI será tomada a tempo da assembleia-geral de acionistas marcada para a próxima terça-feira, sabe o ECO.

A Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) vai decidir sobre o preço proposto pelo CaixaBank para comprar o BPI ainda antes da realização da assembleia-geral do banco português, agendada para a próxima terça-feira, 13 de dezembro, e que vai determinar o sucesso da Oferta Pública de Aquisição (OPA) do grupo catalão sobre a instituição portuguesa, sabe o ECO.

Neste momento, o regulador do mercado, liderado por Gabriela Figueiredo Dias, está a analisar se a contrapartida de 1,134 euros por ação que os catalães oferecem é ou não justa. Tanto a administração do BPI como os acionistas minoritários já sublinharam que o preço da OPA espanhola é baixo, com os últimos a reclamarem a nomeação de um auditor independente.

Ainda assim, uma decisão favorável à indicação de um auditor externo para definir um preço mínimo é pouco provável. E isto porque o CaixaBank cumpriu o que determina número 1) do artigo 188 do Código dos Valores Mobiliários sobre a contrapartida da OPA obrigatória, cujo valor não pode ser inferior ao mais elevado dos seguintes montantes:

De qualquer forma, quando os acionistas do BPI forem chamados a decidir sobre a venda 2% da sua posição no Banco Fomento Angolano (BFA) à empresária Isabel dos Santos (através da Unitel), já a CMVM terá apresentado o seu veredicto sobre uma das questões ainda em aberto na OPA do CaixaBank sobre o banco português: o preço.

A assembleia-geral do BPI está marcada para a terça-feira da próxima semana, depois de o CaixaBank ter pedido a suspensão do último encontro dos acionistas por não ter a garantia de que a venda dos 2% do capital do BFA, e consequente redução da posição do BPI para os 49%, seja considerada suficiente para que o Banco Central Europeu (BCE) classifique a operação passível de reduzir a exposição do banco aos grandes riscos de Angola.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

CMVM decide preço da OPA ao BPI antes da AG

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião