Défice comercial de bens culturais agravou-se em 2015

O saldo comercial de bens culturais continua a ser negativo. Ou seja, há défice entre as exportações e as importações portugueses no que toca a setor, um número que se agravou em 2015, face a 2014.

Portugal continua a importar mais bens culturais do que a exportar. As notícias em relação a 2015 são ainda piores: as exportações diminuíram 23% face a 2014 e as importações aumentar 1,8%. Esta evolução traduz-se num agravamento do défice comercial de bens de 26,6%, tendo passado de 74,1 milhões para 93,8 milhões de euros de 2014 para 2015.

INE
Fonte: INEINE

Os números são negativos para o comércio internacional de bens culturais. Foi principalmente a descida das exportações deste tipo de bens que agravou o défice comercial entre Portugal e o exterior. “Em 2015, a taxa de cobertura das importações pelas exportações foi de 37,8%, significando uma descida de 12,1 pontos percentuais face ao ano anterior”, escreve o INE.

A maior fatia de exportações — mais de metade do total (58,%) — é através da venda ao exterior de livros, brochuras e impressos semelhantes. Em 2015 este item representou 33,5 milhões de euros. Destaca-se ainda a venda de esculturas, dentro da categoria de objetos de arte, de coleção ou antiguidades. No total o valor exportado nesta categoria foi de 11,6 milhões de euros.

Do lado das importações verifica-se o mesmo destaque para os livros, brochuras e impressos semelhantes, ao lado dos jornais e publicações periódicas, ambos vindos maioritariamente de países da União Europeia (94,1% do total). As duas categorias juntas representam 110 milhões de euros importados, sendo que no total foram importados 150,7 milhões de euros. Os restantes 40 milhões de euros dividem-se em instrumentos musicais, suas partes e acessórios (16,8%), objetos de arte, de coleção e antiguidades (3,9%), os DVD’s (3,4%) e os CD’s e discos compactos (3,3%).

Editado por Mónica Silvares

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Défice comercial de bens culturais agravou-se em 2015

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião