Tem uma festa de Natal da empresa? Siga estes conselhos

  • Ana Luísa Alves
  • 13 Dezembro 2016

Aproxima-se a época de Natal. Um dos eventos mais comuns nesta altura são as festas e jantares de Natal das empresas. Se vai ter um, aproveite as dicas para tirar o maior partido das comemorações.

As festas de Natal das empresas são muitas vezes sinónimo de histórias que ficam para a posteridade. Por exemplo, os colegas que bebem de mais e se tornam motivo de brincadeiras na segunda-feira seguinte. Mas não se envergonhe: aproveite a ocasião para trabalhar e subir na carreira.

Estes eventos são únicos porque permitem que patrão e empregados se relacionem como iguais. E é como um pequeno jogo, segundo diz a Fast Company, que deixa ao leitor sete dicas para usar durante o evento para impulsionar a carreira no próximo ano.

Faça o trabalho de casa

Pense nas pessoas da sua equipa que vão estar na festa de Natal e podem ser excelente “conectoras” quando quiser ir falar com os seus chefes. Pense também em bons tópicos de conversa e faça por estar dentro dos assuntos falados durante o evento, adverte Walt L. Jones III, estratega do SEQ Advisory Group.

Chegue cedo

Pode ser tentador esperar até que a festa, ou jantar, comece, e pode até ser estranho ser o primeiro a aparecer. Mas, “se quer ter boas conversas com alguém convém apanhar a pessoa sóbria”, acrescenta Walt L. Jones.

Defina as pessoas que quer conhecer

Aproximar-se de alguém na altura certa vai dar uma imagem positiva e pode abrir portas para o próximo ano, disse Stokes. Apresente-se a pessoas com quem nunca falou no trabalho, ou que trabalhem em departamentos diferentes do seu. Mas não defina um número. “Pessoas mais tímidas talvez queiram apenas dar-se com cinco ou seis pessoas, mas isto não é uma competição. É sobre fazer o maior número possível de boas ligações”.

Cumprimente o patrão

Encontre o presidente ou o patrão da empresa e agradeça-lhe pessoalmente por ter organizado o evento, explica Kolby Goodman, consultor de carreiras na The Job Huntr. No entanto, não aproveite o momento para discutir a sua visão da empresa ou para definir o seus objetivos enquanto empregado.

Não fale sobre trabalho

Deixe o trabalho à porta da festa ou jantar. “Os seus colegas vão querer saber sobre a sua família, os seus animais, o livro que anda a ler. Se o trabalho vier à tona, tudo bem, se não, não o puxe”, acrescentou Judy Robinett, autora do livro “Como ser um bom conector”.

Vá embora a horas decentes

Não seja a última pessoa a abandonar o jantar, diz a conselheira de carreira Heather Monahan. “É ótimo que tenha chegado ao jantar, e tenha causado boa impressão mas, quando começar a ver pessoas a irem embora, vá também andando”, acrescenta Monahan. “Nada de bom acontece no fim da noite”.

Amanhã é mais um dia

Desenvolva uma boa estratégia para os dias a seguir à festa de Natal. Reforce a ideia de que gostou do convívio, de conversar e conhecer melhor os seus colegas, concluiu Robinett. Não esqueça o follow up.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Tem uma festa de Natal da empresa? Siga estes conselhos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião