Guterres na ONU: “Desejo expressar profunda gratidão para com o meu país”

  • Lusa
  • 13 Dezembro 2016

No final do dia em que prestou juramento na sede das Nações Unidas como secretário-geral da instituição, o português mostrou-se grato pelos valores que recebeu ao longo da vida.

O secretário-geral designado das Nações Unidas, António Guterres, agradeceu na segunda-feira aos portugueses as lições de “solidariedade, tolerância e diálogo” que recebeu ao longo da vida, destacando a unidade política nacional à volta da sua campanha.

No final de um dia em que prestou juramento na sede das Nações Unidas como secretário-geral, e numa receção oferecida pelo Presidente da República português para cerca de 800 pessoas, António Guterres fez questão de fazer um discurso mais pessoal. “Este é o momento em que desejo expressar a minha profunda gratidão para com o meu país”, afirmou.

Referindo-se ao primeiro-ministro, António Costa, como seu “querido amigo” e ao Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, como “velho amigo”, Guterres classificou-os como “os seus mais entusiasmados apoiantes” e agradeceu o apoio de todos os partidos políticos. “Esta unidade, dos portugueses e do seu sistema político, é simbólica do tipo de unidade que gostava de ver na comunidade internacional”, disse.

O antigo primeiro-ministro socialista agradeceu ainda ao povo português pelo que aprendeu ao longo da vida sobre “os valores da solidariedade, tolerância e dialogo” e exemplificou com a relação entre o chefe de Estado e chefe de Governo, que segunda-feira estiveram presentes em Nova Iorque na cerimónia de juramento e, à noite, na receção. “O primeiro-ministro e o Presidente da República pertencem a partidos diferentes, mas estão ambos aqui: mais do que as palavras, a sua linguagem corporal mostra como estão unidos”, destacou.

O futuro secretário-geral das Nações Unidas, que iniciará funções em 01 de janeiro, deixou ainda um elogio ao sistema político português, lembrando as eleições legislativas e presidenciais em que estes dois atores políticos foram eleitos. “Ambos foram eleitos em eleições ferozes e muito disputadas. Mas nessas eleições, nenhuma força política, da esquerda ou direita, usou o medo ou o ódio para ganhar votos”, afirmou.

António Guterres expressou ainda o seu orgulho de que em Portugal “todos os partidos políticos, direita ou esquerda, tenham sido sempre capazes de expressar as suas opiniões sem usar como bodes expiatórios” os imigrantes.

“Seria muito fácil para qualquer partido político dizer: vote em nós, porque vamos livrar-nos dos imigrantes e, com base nisso, criar trabalhos para os portugueses (…). Temos visto este tipo de discurso em todo o lado. Tenho muito orgulho de vir de um pais que não usa este tipo de discurso para ganhar votos”, acrescentou. “São estes valores de solidariedade, diálogo e tolerância, que agradeço muito ao meu povo me ter ensinado e que consegui preservar em todos estes anos que me trouxeram até este dia, aqui, convosco”, concluiu.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Guterres na ONU: “Desejo expressar profunda gratidão para com o meu país”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião