Fed promete subir juros e faz descer a bolsa de Lisboa

Reserva Federal norte-americana prometeu encarecer o dinheiro no próximo ano, deixando investidores sem apetite pelo risco no arranque da sessão. Lisboa cede 0,5%.

A Reserva Federal norte-americana anunciou esta quarta-feira a segunda subida dos juros desde 2016 e não vai ficar por aqui no próximo ano. Ao longo de 2017, Janet Yellen vai apertar a política monetária, encarecendo o dinheiro, face ao conforto e robustez da maior economia do mundo. Esse sinal de retirada mais acelerada dos estímulos está a deixar os investidores com pouco interesse pelo risco.

Por Lisboa, o PSI-20, o principal índice português, perdia 1% para 4.553,69 pontos, pressionado sobretudo pelo desempenho negativo das supercotadas nacionais Jerónimo Martins, EDP, EDP Renováveis e Galp, cujas descidas superavam os 1%.

“O principal tema da bolsa nacional e da sessão europeia será observar como as yields da dívida soberana irão reagir ao forte aumento das yields americanas, fruto da reunião de ontem da Fed”, escrevem os analistas do BPI no Diário de Bolsa. “Ações como a EDP, a REN e a EDP Renováveis são as mais vulneráveis aos movimentos das taxas de juro nacionais. Um outro efeito da subida das yields americanas foi a valorização do dólar“, acrescentaram.

"O principal tema da bolsa nacional e da sessão europeia será observar como as yields da dívida soberana irão reagir ao forte aumento das yields americanas, fruto da reunião de ontem da Fed. Ações como a EDP, a REN e a EDP Renováveis são as mais vulneráveis aos movimentos das taxas de juro nacionais. Um outro efeito da subida das yields americanas foi a valorização do dólar.”

Analistas do BPI

Diário de Bolsa

No mercado secundário, os juros da dívida portuguesa agravavam-se na manhã desta quinta-feira, com a taxa das obrigações a dez anos, a referência no mercado, a subir quase sete pontos base paara 3,843%, num contexto de aumento dos juros no contexto europeu.

Nas bolsas europeias, o sentimento do dia até era positivo. Madrid, Paris e Frankfurt valorizavam até 1%.

(notícia em atualizada às 8h25 com mais informação)

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Fed promete subir juros e faz descer a bolsa de Lisboa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião