Revista de imprensa internacional

  • Ana Luísa Alves
  • 15 Dezembro 2016

Brexit continua a dar que falar, e desta vez foi o banco Loyd's a informar que vai mover as suas operações para outro país da UE."Brexit" é uma das palavras do ano e vai constar no dicionário Oxford.

Esta quinta-feira, os olhos estão postos no primeiro jogo do Super Mario Run para smartphones, e, no velho continente, as atenções viram-se para o Loyd’s, primeiro banco da City a mover as suas operações para a União Europeia depois do Brexit. Por falar no Brexit, esta vai ser a nova palavra a entrar no dicionário de Oxford. Dois espanhóis estão a criar porcos ibéricos no Texas para começarem a vender em 2018 o melhor presunto do mundo a partir dos Estados Unidos. Na China, as empresas de automóveis norte-americanas estão a sofrer retaliações por fixarem os preços.

Bloomberg

Chegou o primeiro jogo da Nintendo para smartphones

Depois de quase dois anos à espera, chegou o primeiro jogo da Nintendo para smarphones, o Super Mario Run. O comunicado foi feito hoje pela Apple, e, segundo a Bloomberg, este é o segundo jogo da Nintendo a ser adaptado para smartphones, depois do sucesso do Pokemon Go. (Conteúdo em inglês/acesso gratuito)

 

Financial Times

Loyds é o primeiro banco a mover operações para a União Europeia

Com o Brexit cada vez mais perto de acontecer, o Loyd’s tornou-se o primeiro negócio da City a mover as suas operações para fora de Londres. A instituição com 328 anos está em vias de escolher um destino de uma pequena lista de cinco destinos possíveis, e é provável que lance uma proposta aos seus membros até fevereiro do próximo ano. (Conteúdo em inglês/acesso pago)

Wall Street Journal

“Brexit” vai entrar para o dicionário de Oxford

Já é oficial: a palavra “Brexit”, além de ter marcado o ano que termina dentro de duas semanas, também vai passar a constar no Dicionário de Inglês Oxford, com o significado de “o propósito do Reino Unido de querer sair da União Europeia, e o processo político para tal”. A atualização dos dicionários vai ser feita no quarto trimestre deste ano. (Conteúdo em inglês/acesso gratuito)

Reuters

China vai punir os fabricantes de automóveis norte-americanos

A China quer punir os fabricantes de automóveis norte-americanos, depois de os acusar de estarem a combinar os preços entre si. Isto pode ser sinal de que pode estar a retaliar os Estados Unidos pela eleição do Donald Trump, e pelo mais recente presidente eleito ter dito que os EUA não precisam de estar vinculados à política de que Taiwan faz parte de “uma China”, o que pode alterar as relações de décadas entre os dois países. (Conteúdo em inglês/acesso gratuito)

El País

Presunto de pata negra à venda por 1000 dólares

Dois jovens empreendedores espanhóis foram para os Estados Unidos para fazerem criação de porcos ibéricos pata negra e venderem depois o presunto. O preço de cada presunto vai ser de mil dólares (940 euros) e os dois empreendedores esperam começar a vendê-lo a partir de 2018. (Conteúdo em castelhano/acesso gratuito)

Editado por Mariana de Araújo Barbosa (mariana.barbosa@eco.pt)

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Revista de imprensa internacional

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião