Concertação: Marcelo pede acordo mais alargado

  • ECO
  • 16 Dezembro 2016

O chefe de Estado defendeu esta quinta-feira um acordo "muito vasto" entre parceiros socais e Governo. E separou o "fundamental" do acessório no que toca à Caixa Geral de Depósitos.

Um acordo “muito vasto” em sede e concertação social e que vá além da simples discussão do salário mínimo nacional. A posição foi defendida esta quinta-feira pelo Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, em declarações ao Diário de Notícias e à TSF. Se não for alargado, é “pobre”, disse.

“O ideal para o acordo de médio prazo é que haja um pacote muito vasto de questões a ser examinado, que vão desde a formação profissional à política de rendimentos, política fiscal e salarial, e por aí adiante”, indicou o antigo comentador, que também aceitou regressar à antena da rádio para dar notas ao país.

O Presidente da República garantiu ser “um grande defensor de um acordo de concertação social” e de “uma predisposição para haver acordos”. Isto porque, sublinhou Marcelo Rebelo de Sousa, a “estabilidade política e financeira” é insuficiente se a isso não se juntar a “estabilidade social”.

Sobre as recentes polémicas em torno da Caixa Geral de Depósitos (CGD), o chefe de Estado enalteceu a recapitalização do banco como “o mais difícil e mais importante” que se conseguiu até agora. O resto, como o caso da entrega das declarações de rendimentos que culminou com a saída do ex-administrador António Domingues e de parte da equipa de gestão, foi “algum ruído” e não é o “fundamental”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Concertação: Marcelo pede acordo mais alargado

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião