Altice vai vender negócio na Bélgica e Luxemburgo à Telenet

O negócio ainda aguarda luz verde das autoridades belgas, mas a empresa de Patrick Drahi vai encaixar 400 milhões de euros com o negócio.

A Altice, dona da PT Portugal, ATCB 0,00% anunciou esta quinta-feira que chegou a acordo para a venda do negócio na Bélgica e no Luxemburgo ao grupo Telenet, numa operação avaliada em 400 milhões de euros. Um movimento visto quase como estranho, tendo em conta a habitual onda de aquisições da empresa francesa.

O grupo liderado por Patrick Drahi adiantou que vai vender a Coditel Brabant ao grupo Telenet, salientando que a conclusão do negócio aguarda a aprovação das autoridades da Bélgica. A operação está avaliada em cerca de 400 milhões de euros.

Esta venda é, segundo o The Wall Street Journal, a primeira vez que Patrick Drahi opta por se desfazer de um ativo por opção própria. Até aqui o francês apenas vendeu ativos quando foi forçado pelos reguladores, tal como aconteceu em Portugal, quando comprou a PT. Esta opção, segundo o jornal americano, marca “uma nova estratégia de se focar nos seus ativos de maior dimensão“.

A Altice tinha comprado os ativos belgas e luxemburgueses em 2003, por 82 milhões de euros, no âmbito de uma onda de aquisições que a levou a adquirir operadores de cabo em França e Israel. O negócio — rebatizado, recentemente, SFR Bélgica — registou, em 2015, um EBITDA (lucros antes de juros, impostos, depreciação e amortização) de 51 milhões de euros e receitas de 75 milhões.

O objetivo da Altice é ser a primeira ou segunda maior operadora, em número de clientes, em cada mercado em que está presente. Mas na Bélgica essa meta dificilmente poderia ser atingida tendo em conta que a operadora, em 2015, perdeu a oportunidade de comprar a Base, a terceira maior operadora belga, numa “guerra” de licitações com a Liberty Global PLC que ofereceu 1,3 mil milhões de euros.

Com esta venda, a Altice dispõe de mais tempo e recursos no esforço de crescimento no mercado norte-americano onde é o quarto maior operador de cabo. Uma posição que ocupa desde a fusão, em junho, do operador regional Suddenlink com a nova-iorquina Cablevision.

Este mês, a empresa admitiu que estava a ponderar uma oferta pública inicial de uma posição minoritária na sua operação norte-americana para angariar capital para financiar a expansão neste mercado, lembra o The Wall Street Journal. Aumentar o capital próprio também aliviaria a pressão sobre uma empresa cuja dívida de longo prazo ascende a 50 mil milhões de euros.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Altice vai vender negócio na Bélgica e Luxemburgo à Telenet

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião