Terminações fixas: Anacom corta preços grossistas em 42%

O regulador decretou um corte de 42% nos preços que os operadores de rede fixa cobram a concorrentes pela terminação de chamadas de voz nas suas redes. Decisão vai ao encontro de Bruxelas.

Os operadores de rede fixa vão ser obrigados a cobrar menos dinheiro aos concorrentes pelo uso das suas redes para terminação de chamadas telefónicas. A Anacom anunciou esta terça-feira que decretou um redução de 42% nos preços grossistas das terminações fixas.

Na prática, a decisão fará o preço cobrado descer de cerca de 11 cêntimos por minuto para seis cêntimos, aproximadamente. Como explica o regulador, a medida vai potenciar “condições para uma concorrência acrescida nas ofertas de serviços de comunicações eletrónicas, incluindo o serviço telefónico em local fixo”.

A entidade, liderada por Fátima Barros, recorda que, em 2013, impôs também uma redução deste valor “na ordem dos 80%”, naquilo que considerou “uma medida provisória e urgente”. Os novos preços agora fixados “devem ser adotados por todos os operadores que terminam chamadas de voz em local fixo e que têm poder de mercado significativo”.

A medida vai ao encontro da recomendação da Comissão Europeia relativa a Terminações, justifica ainda o regulador português das telecomunicações, mediante o “modelo de custeio” já aprovado. “Estes preços devem ser orientados para os custos de um operador eficiente”, indica em comunicado.

Os novos preços grossistas “entrarão em vigor dentro de dez dias úteis, contados a partir da aprovação da decisão”. Deverão ser novamente atualizados em outubro de 2017.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Terminações fixas: Anacom corta preços grossistas em 42%

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião