Volkswagen compra PayByPhone e entra no negócio dos estacionamentos

O braço financeiro do grupo Volkswagen vai adquirir a PayByPhone, uma aplicação que permite pagar o estacionamento com o telemóvel. O montante da compra não foi revelado.

Estima-se que a PayByPhone tenha cerca de 12,5 milhões de clientes na Europa e Estados Unidos.Wikimedia Commons

É mais um passo do grupo Volkswagen no campo da mobilidade. O braço financeiro da empresa alemã vai adquirir a PayByPhone, uma empresa canadiana que permite pagar o estacionamento através de uma aplicação móvel. A compra já foi confirmada por ambas as companhias, mas o montante da aquisição não foi revelado, de acordo com o The Wall Street Journal.

Anualmente, estima-se que a PayByPhone processe cerca de 287 milhões de euros (o equivalente a 300 milhões de dólares) em transações relativas a este tipo de serviço. Mas embora seja apenas uma gota de água no oceano das receitas da fabricante, a compra vai tornar a Volkswagen Financial Services líder nos pagamentos móveis de estacionamento, garante a empresa num comunicado citado pela agência Bloomberg.

A PayByPhone, que terá cerca de 12,5 milhões de clientes, garante que, a cada dia, 7.000 novos utilizadores juntam-se à plataforma. Atualmente, o serviço é suportado por 262 mil parques de estacionamento em Paris, Boston, Londres, São Francisco e Seattle. No entanto, o movimento não é inédito. No ano passado, a Volkswagen Financial Services comprou 92% da Sunhill Technologies, uma firma alemã, líder em pagamentos de estacionamento através de dispositivos móveis.

A notícia desta aquisição surge poucas semanas após a criação de uma nova empresa dentro do grupo, para competir no campo da mobilidade urbana e das boleias. A firma chama-se Moia e, no universo Volkswagen, tem o mesmo estatuto do que a Audi e a Porsche, sublinha a agência. Além disso, em janeiro, a própria Audi anunciou um investimento de 28 milhões de dólares (cerca de 26,8 milhões de euros) na Silvercar, uma startup que permite alugar automóveis da Audi através de uma app.

Com isto, o grupo expande-se para um setor marcado pelos veículos elétricos e pela condução autónoma, à medida que se tenta redimir do escândalo da manipulação dos testes às emissões poluentes em alguns dos modelos que fabricou. Na última semana, a empresa alemã aceitou gastar mais mil milhões de dólares na reparação ou compra de automóveis a gasóleo, com motores de três litros e com o mecanismo manipulador. Só nos Estados Unidos e Canadá, a firma já aceitou gastar 19 mil milhões de dólares para resolver a situação.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Volkswagen compra PayByPhone e entra no negócio dos estacionamentos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião