Europa: Venda de carros atinge máximo de nove anos

Há mais carros a ser vendidos, mas a culpa não é da Volkswagen. É da economia a recuperar e da Renault, esclarecem os dados da Associação Europeia de Fabricantes de Automóveis.

Há boas notícias para os fabricantes de automóveis: na Europa, 2016 foi um ano de recuperação para as vendas de carros. De tal forma que as vendas aumentaram 6,5% para um máximo de nove anos. Com a economia europeia a recuperar, também a procura de automóveis aumentou nos últimos anos, avança a Bloomberg, referindo o caso da Renault, que conseguiu tirar partido do escândalo que afetou a reputação da Volkswagen.

Os dados foram anunciados esta terça-feira pela Associação Europeia de Fabricantes de Automóveis: as vendas aumentaram para os 15,1 milhões face aos 14,2 milhões de 2015. A melhor performance foi da francesa Renault, empresa onde a procura acelerou 14% em dezembro, mais de quatro vezes o que o mercado acrescentou nesse mês. No total do ano, as vendas da empresa francesa aumentaram 12% face a 2015.

2016 marca o terceiro ano em que a indústria automóvel continua a crescer, após anos de constrangimentos, nomeadamente em 2013, altura em que foram registados mínimos históricos. Em causa estava uma economia a abrandar, em recessão, mas também a crise das dívidas soberanas que, na generalidade, retirou rendimentos aos cidadãos.

"O ambiente macro continua a ser principalmente de suporta, com uma recuperação geral [da economia] ligada a inflação baixa, taxa de juro baixa, criação de emprego e ganhos nos salários.”

Ian Fletcher

Analista IHS Market

Apesar de estarem num momento mais positivo, os fabricantes de automóveis têm de mostrar cautela face a eventos como o do Brexit, cujos efeitos vão piorar a procura do Reino Unido por veículos.

“O ambiente macro continua a ser principalmente de suporta, com uma recuperação geral [da economia] ligada a inflação baixa, taxa de juro baixa, criação de emprego e ganhos nos salários”, analise Ian Fletcher, analistas da IHS Markit, à Bloomberg.

Editado por Paulo Moutinho

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Europa: Venda de carros atinge máximo de nove anos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião