Parlamento: TSU vai a votação a 3 de fevereiro

A apreciação parlamentar sobre a redução da Taxa Social Única acontecerá na Assembleia da República a dia 3 de fevereiro. PCP já divulgou o projeto de resolução com o texto da cessação de vigência.

O dia 3 de fevereiro, sexta-feira, será decisivo para a concertação social: o decreto-lei que tem circulado de forma rápida entre as instituições vai chegar à Assembleia da República. E a expectativa é que os deputados da esquerda e os social-democratas aprovem uma cessação de vigência que, na prática, irá retirar da lei a redução da TSU em 1,25 pontos percentuais. Caso este cenário se torne realidade, o acordo de concertação social fica em causa.

A data foi acordada esta quarta-feira de manhã numa reunião entre os líderes parlamentares e o presidente da Assembleia da República. Pedro Filipe Soares, o primeiro a falar à saída do encontro, explicou que a agenda já tinha os dias 25, 26 e 27 ocupados e que existe um “preceito regimental para a manutenção da agenda por 15 dias”, o que empurrou a marcação da apreciação parlamentar para dia 3 de fevereiro. Isto significa que a revogação, a acontecer, só acontecerá com o projeto-lei já em vigor, uma vez que entra a 1 de fevereiro.

O líder parlamentar do Bloco de Esquerda afirmou haver uma “previsão de aprovação” da cessação de vigência que o BE já garantiu que irá fazer. “Votaremos a favor de qualquer projeto de cessação de vigência que acabe com este desconto aos patrões”, garantiu Pedro Filipe Soares, fazendo o repto para que os vários grupos parlamentares participem com propostas na apreciação parlamentar. O bloquista dissipou dúvidas quanto à possibilidade de não haver concordância por elementos adicionais: “apenas e só a cessação de determinado decreto-lei”, disse, referindo-se ao diploma do Governo.

Além disso, Pedro Filipe Soares garantiu que qualquer proposta de alteração, como o CDS já anunciou que iria fazer, na apreciação parlamentar cai assim que for aprovada a cessação de vigência do decreto-lei. Ou seja, se a cessação for aprovada, as propostas do CDS não chegam a ser discutidas nem votadas no Parlamento. Por isso, os centristas têm de optar por outra via legislativa caso queiram que o desconto continue a ser de 0,75 pontos percentuais, como já indicou Assunção Cristas.

João Oliveira, do PCP, falou em seguida e reforçou a missão do PCP em retirar este desconto aos patrões. O mesmo aconteceu com o PSD que, pela voz do deputado Hugo Soares, afirmou que este agendamento “é o suficiente para que o diploma caia”.

A voz crítica deste processo chegou da parte dos socialistas. Carlos César, o líder parlamentar do PS, criticou a posição dos social-democratas, acusando-os de querer beneficiar de “negócios partidários e de jogadas políticas”. O também presidente do Partido Socialista atacou a postura do PSD, referindo que é lamentável que o partido “altere a sua posição colocando em causa os acordos no âmbito da concertação social”.

PCP distribui cessação de vigência que vai a votos

O Partido Comunista Português distribuiu esta quarta-feira o projeto de resolução que contém a cessação de vigência que vai a votos no dia 3 de fevereiro. O documento tem apenas a referência à, na prática, revogação do decreto-lei do Governo, não existindo nenhum texto introdutório de explicação e contextualização, o que poderia repelir um voto a favor do PSD. Eis o documento:

img_5001 img_5002

(Notícia atualizada às 15h35 com o documento divulgado pelo PCP)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Parlamento: TSU vai a votação a 3 de fevereiro

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião