Ficam vazias 74% das vagas para médicos no Sul

  • ECO
  • 26 Janeiro 2017

Das vagas abertas para médicos nas regiões do Alentejo e do Algarve, a grande maioria ficou vazia. Mesmo na região de Lisboa e Vale do Tejo há especialidades carenciadas sem candidatos.

Das 1710 vagas abertas nos últimos dois anos para unidades com especialidades carenciadas, mais de metade não foram preenchidas, avança esta quinta-feira o Diário de Notícias, com as regiões do Alentejo e do Algarve a serem aquelas onde a situação é mais flagrante, com 74% das vagas a ficarem vazias.

Embora sem resposta da Administração Regional de Saúde (ARS) do Norte, as contas do DN às restantes ARS mostram que inúmeras vagas em especialidades que vão desde a medicina geral e familiar à cardiologia e anestesiologia ficaram sem candidatos. Na região de Lisboa e Vale do Tejo, abriram 855 vagas e 389 ficaram sem médicos colocados.

“Verificou-se existir grande dificuldade em colocar especialistas em todas as áreas, sendo que várias não tiveram sequer candidatos como anatomia patológica, cardiologia e otorrinolaringologia. Nas áreas de ginecologia-obstetrícia e medicina interna verifica-se um número significativo de vagas desertas, maioritariamente por desistência dos candidatos”, segundo disse ao DN a ARS de Lisboa e Vale do Tejo. A situação é mais grave no Alentejo, onde das 230 vagas abertas, em 2015 e 2016, ficaram 180 por preencher.

O diploma com os novos incentivos à fixação de médicos em zonas com carência de especialistas já foi promulgado pelo Presidente da República, faltando agora a publicação em Diário da República, e o dirigente da ARS do Alentejo, José Robalo, espera que sirvam para incentivar os jovens a fixar-se nas regiões onde fazem mais falta.

Também o bastonário dos Médicos, José Manuel Silva, disse ao DN que os novos incentivos são “claramente superiores” aos anteriores, e poderão ajudar a que o Serviço Nacional de Saúde consiga competir melhor com o sistema de saúde privado e com o estrangeiro.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Ficam vazias 74% das vagas para médicos no Sul

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião