Cobranças de dívidas levam 40 meses a ser julgadas

  • ECO
  • 8 Fevereiro 2017

Em 2016, existiam 842 mil ações executivas pendentes. Banco de Portugal fala em entupimento "muito elevado e moroso" nos tribunais.

Mais de três anos, é quanto pode demorar a concluir um processo de cobrança de dívidas nos tribunais portugueses. São, por isso, centenas os processos que estão pendentes. Números que levam o Banco de Portugal (BdP) a alertar para o “nível de congestão muito elevado” do sistema judicial português, num balanço divulgado na Revista de Estudos Económicos do Banco de Portugal de janeiro, citado pelo Diário de Notícias (acesso gratuito).

Com o título “Produtividade da justiça cível em Portugal: uma questão incontornável num sistema congestionado”, um artigo da revista do Banco de Portugal faz a análise de duas décadas (de 1993 a 2013) e faz pontaria especificamente às ações executivas, que se destinam a exigir o pagamento de uma dívida confirmada em tribunal.

Em média, os tribunais portugueses demoram cerca de 30 meses a concluir um processo, um prazo que se pode estender até 40 meses caso se tratem de cobrança de dívidas. “No contexto dos processos cíveis destaca-se o aumento do peso das execuções face às ações declarativas”, pode ler-se no estudo divulgado pelo BdP, da autoria de Manuel Coutinho Pereira e Lara Wemans, citado pelo Diário de Notícias.

No ano passado, entre julho e setembro, estavam pendentes 842 mil ações executivas nos tribunais portugueses. Mesmo sem a entrada de novas ações, o que é improvável, seriam necessários dois anos e três meses para resolver os processos de cobrança de dívidas, o que leva o regulador do sistema financeiro a lançar o alerta.

A avaliação da entidade liderada por Carlos Costa, assinala que a morosidade do sistema é “um dos elementos que pode contribuir para uma ineficiente afetação dos recursos por parte dos agentes económicos, dificultando o crescimento económico”.

A análise divulgada pelo BdP revela ainda que cada juiz terá resolvido, em média, 550 processos por ano. Garante ainda que Portugal tem um número de magistrados e de funcionários judiciais inferior à média europeia mas que supera a dos países de matriz legal francesa.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Cobranças de dívidas levam 40 meses a ser julgadas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião