BlackRock: Investidores estão “demasiado céticos” sobre ações europeias

  • Rita Atalaia
  • 12 Fevereiro 2017

A BlackRock, a maior gestora de ativos do mundo, considera que os investidores estão "demasiado céticos" em relação às ações do Velho Continente. E deixa uma recomendação: "Comprem ações europeias".

Sete meses depois de ter cortado a recomendação para as ações do Velho Continente, a maior gestora de ativos do mundo vem agora em sua defesa. A BlackRock recomenda a compra de ações europeias. Isto numa altura em que as eleições na Alemanha e em França estão a deixar os “demasiados céticos” em relação à Europa.

Há menos de um ano, a BlackRock dizia que as ações europeias não eram uma boa aposta devido a toda a incerteza em torno das eleições nos vários países da região. Por isso, cortou a recomendação para “underweight”. Mas agora vem afastar o ceticismo dos investidores e recomenda a compra dos títulos do Velho Continente. Richard Turnill, responsável pela estratégia de investimento da BlackRock, nota que os investidores estão “demasiado céticos” em relação à região e que o risco em torno das eleições em França e na Alemanha que foi incorporado nas apostas é “exagerado”.

As ações europeias têm ficado atrás das pares norte-americanas. Os traders atribuem um prémio de risco mais elevado à região onde a Alemanha e França estão a viver campanhas eleitorais atribuladas. Na Alemanha, as sondagens não são favoráveis a Angela Merkel, que enfrenta eleições legislativas no outono. Em França, Marine Le Pen, líder da Frente Nacional, deve ganhar a primeira ronda nas eleições presidenciais, em abril. Mas perder na segunda ronda.

“Consideramos que as ações europeias vão ser as que mais vão beneficiar” deste cenário e “acreditamos que os investidores estão demasiado céticos em relação às perspetivas para a região”, diz Richard Turnill. O Stoxx Europe 600 deve valorizar 13% em 2017, depois de ter caído no ano passado, de acordo com dados compilados pela Bloomberg.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

BlackRock: Investidores estão “demasiado céticos” sobre ações europeias

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião