Taxistas marcam concentração para 9 de março contra Uber e Cabify

Federação Portuguesa de Taxi marcou uma concentração-vigília para a manhã do dia 9 de março em protesto com a falta de resposta de António Costa às perguntas levantadas pelos taxistas.

A Federação Portuguesa de Táxis convocou para o dia 9 de março uma concentração-vigília, em frente à sede do Instituto da Mobilidade e dos Transportes (IMT), em Lisboa, numa ação de protesto contra a falta de ação do Governo em relação às plataformas eletrónicas de transporte individual como a Uber e a Cabify.

Em comunicado, a federação indica que vai reunir os taxistas em manifestação contra a “falta de resposta do primeiro-ministro perante a inércia do Governo, através do Ministério do Ambiente, do IMT e do Ministério da Administração Interna, no cumprimento integral da lei 35/2016: a lei contra o transporte ilegal de passageiros em viaturas ligeiras”.

A concentração-vigília ocorrerá entre as 8h00 e as 13h00. Contactada pelo ECO, a Cabify não prestou declarações relativamente a mais um protesto dos taxistas. Fonte oficial da Uber disse: “Continuamos a respeitar o direito que todos têm de se manifestar, desde que o façam com espírito cívico, e com respeito pela segurança e ordem públicas. Esperamos que o processo legislativo agora em curso seja concluído em breve, e que o novo quadro regulatório propicie uma sã concorrência e privilegie os interesses de todas as pessoas que querem viajar, dos motoristas que veem na novas formas de mobilidade uma importante oportunidade económica, e que garanta maior mobilidade e sustentabilidade às cidades portuguesas.”

A Federação Portuguesa de Táxi enviou uma carta a António Costa no dia 8 de fevereiro, solicitando uma audiência ao primeiro-ministro. Na missiva, acusou o Executivo e a administração pública de “continuar a permitir o transporte ilegal de passageiros em viaturas ligeiras que não táxis”, além de “permitir a retirada de trabalho aos trabalhadores certificados e empresas licenciadas” e “a saída de impostos para fora de Portugal”, alimentando “uma crescente tensão social”.

A 22 de dezembro, o Governo aprovou em Conselho de Ministros uma proposta de lei para regular a atividade das plataformas como a Uber e da Cabify. O documento deverá ser discutido em breve no Parlamento. No entanto, os taxistas e a PSP apontam para uma alteração a uma outra lei, datada de novembro de 2016, para justificar a eventual ilegalidade das plataformas eletrónicas de passageiros.

Última atualização a 23 de novembro, com declarações de fonte oficial da Uber Portugal.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Taxistas marcam concentração para 9 de março contra Uber e Cabify

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião