Bomba recolhida na Nazaré já foi detonada

  • ECO e Lusa
  • 27 Fevereiro 2017

A bomba foi 'pescada' depois das 09:00 pelo arrastão “Mar Salgado”, quando a embarcação se encontrava na faina ao largo da Nazaré.

A bomba recolhida hoje ao largo da Nazaré foi detonada às 16h30 no mar, em segurança, prevendo a capitania do porto local que até às 18h00 esteja reposta a normalidade.

A bomba foi detonada às 16h30, em segurança, e meia hora depois foram feitos dois mergulhos de verificação, tendo sido confirmada a sua completa destruição”, disse à Lusa o comandante do Porto da Nazaré, Paulo Agostinho. De acordo com o responsável, às 17h30 já não havia “embarcações nem homens no mar”. Prevê-se que até às 18h00 “esteja recolhido todo o material usado na operação e os mergulhadores possam regressar a Lisboa”.

Paulo Agostinho já tinha explicado que a bomba ia ser desmantelada e detonada no mar, em pequenas cargas.

Imagem da bomba recolhida por um pescador. Crédito: Marinha Portuguesa

A operação foi preparada em terra, contando com a colaboração do arrastão “Mar Salgado”, que hoje de manhã ‘pescou’ o engenho. O plano de ação, segundo a Marinha foi “sair do porto da Nazaré – para uma área com um perímetro de segurança de mil metros, garantidos pela Polícia Marítima, estando também o Instituto de Socorros a Náufragos no local – afundar o engenho explosivo a 20 metros de profundidade e depois proceder à contra-detonação”. Esta seria a forma de garantir “a segurança para pessoas e embarcações”. A Marinha realçou a colaboração do Mestre do arrastão que devido ao peso da bomba se prestou a transportá-la para o local onde iria ser afundada e contra-detonada pelos mergulhadores da Marinha.

A bomba foi ‘pescada’ depois das 09:00 pelo arrastão “Mar Salgado”, quando a embarcação se encontrava na faina ao largo da Nazaré.

O engenho, em elevado estado de corrosão, tinha mais de 202 quilos de H6, um explosivo equivalente a 600 quilos de TNT [trinitrotolueno], e não dispunha de qualquer indicação que o identificasse. Segundo o site da Marinha Portuguesa o engenho, que tinha entre 1,50 a 1,60 de comprimento, e aparentemente seria uma bomba de aeronave do tipo MK82.

Os mergulhadores da Marinha a preparar o material. Crédito: Marinha Portuguesa

Questionado sobre a possibilidade de se tratar de uma bomba da Segunda Guerra Mundial, Paulo Agostinho, sublinhou não ter sido encontrada qualquer inscrição que o confirme, dado o estado de corrosão do engenho. “Não sabemos há quanto tempo se encontraria submerso”, disse.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Bomba recolhida na Nazaré já foi detonada

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião