Dívida: CGD na “estrada” à procura de grandes fundos

  • Rita Atalaia
  • 3 Março 2017

O banco já está na "estrada" à procura de investidores para a sua dívida subordinada. Mas esta emissão não é para todos. A CGD garante que não venderá a particulares ou empresas.

A Caixa Geral de Depósitos (CGD) já deu início ao road show para vender a dívida subordinada que vai emitir, no âmbito do processo de recapitalização aprovado por Bruxelas. Em causa está a emissão de títulos de dívida de elevada subordinação no valor de 500 milhões, operação que deverá ocorrer no final de março ou início de abril. Mas esta emissão não é para todos. O banco público esclarece que é dirigida exclusivamente a grandes investidores. De fora ficam os clientes particulares ou empresas.

A CGD está a preparar uma emissão de dívida subordinada AT1 (additional tier 1). Ou seja, que conta para o capital do banco. Em causa estão 500 milhões de euros de dívida de elevado risco, com taxas de juro que devem rondar os 8% a 10%.

"Pelas suas características de subordinação e tratando-se de dívida perpétua, esta emissão é dirigida exclusivamente a investidores institucionais, nomeadamente fundos de investimento e hedge funds, fundos de pensões e seguradoras”

Caixa Geral de Depósitos

Mas, pelas suas características, esta emissão não é para todos os investidores. Apenas para os institucionais. “Pelas suas características de subordinação e tratando-se de dívida perpétua, esta emissão é dirigida exclusivamente a investidores institucionais, nomeadamente fundos de investimento e hedge funds, fundos de pensões e seguradoras“, esclarece a Caixa num comunicado enviado às redações.

Por isso, “não haverá colocação desta emissão junto de clientes particulares ou empresas, bem como junto de entidades públicas, nos termos do acordo com a DG Comp”, explica o banco do Estado.

Contactado pelo ECO, um analista do setor já tinha explicado que os investidores que compram este tipo de dívida são normalmente fundos, muitos deles especializados neste tipo de produtos financeiros. Um apetite que tem sido crescente, levando a que a generalidade das obrigações já colocadas pelos bancos europeus estejam a valorizar.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Dívida: CGD na “estrada” à procura de grandes fundos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião