Novo Banco podia ter sido dividido entre CGD e BCP

  • ECO
  • 3 Março 2017

O Governo estudou a hipótese de dividir o Novo Banco entre a CGD e o BCP. Uma solução que foi logo afastada em junho por ser um processo complexo e com custos elevados.

O Governo tem estudado várias soluções para o Novo Banco. Uma das hipóteses foi dividir o banco de transição entre a Caixa Geral de Depósitos (CGD) e o BCP. Mas essa possibilidade foi afastada em junho pela sua complexidade e custos elevados. O Executivo acabou por escolher o fundo norte-americano Lone Star para entrar em negociações exclusivas com o objetivo de vender o banco que resultou da falência do Banco Espírito Santo (BES).

O jornal Público (acesso pago) avança que a possibilidade de dividir o Novo Banco entre a CGD e o BCP foi uma hipótese levantada pelo Governo, em junho. Mas que foi logo rejeitada, uma vez que seria um processo complexo e dispendioso. O jornal relembra que isto aconteceu numa altura em que o Executivo tinha em mãos três dossiês financeiros: venda do Novo Banco, recapitalização do banco estatal e o pagamento dos CoCos por parte do BCP e da CGD.

Quando questionado sobre a hipótese de partir o Novo Banco entre o banco público e o banco privado, António Domingues terá levantado “fortes objeções”, refere o Público. “Avisou logo que a solução iria fazer disparar as necessidades de capital da CGD e que era uma via muito difícil de executar e com custos”, de acordo com uma fonte não oficial citada pelo jornal.

O Governo percebeu que esta divisão levaria ao corte do número de funcionários nas três instituições financeiras. E o Novo Banco, CGD e BCP já estavam em processo de reestruturação. Hoje, a CGD já não tem 900 milhões de euros em CoCos, o BCP já pagou o que devia ao Estado e o Governo já está em negociações exclusivas para a venda do Novo Banco ao fundo norte-americano Lone Star.

Governo aguarda por Bruxelas

O Executivo pode ficar com uma participação de até 25% do Novo Banco. Uma posição direta através da Parpública ou indireta através do Fundo de Resolução. O jornal diz, citando fontes, que o Governo ainda está a aguardar para saber se Bruxelas admite que o Novo Banco mantenha o estatuto de banco de transição.

Se as autoridades europeias permitirem que o Novo Banco mantenha este estatuto, a posição de 25% no Novo Banco ficará na posse do Fundo de Resolução (que detém o banco na sua totalidade). A questão é que a lei atual sobre o banco que resultou da falência do BES determina que a venda tem de ser integral. Se Bruxelas não admitir este cenário, o Governo pode optar por comprar esta participação através de uma entidade pública, como a Parpública.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Novo Banco podia ter sido dividido entre CGD e BCP

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião