Montenegro: Marcelo foi “deselegante” com Teodora Cardoso

  • ECO
  • 9 Março 2017

O líder do grupo parlamentar do PSD criticou o Presidente da República e mais ainda António Costa. Para Luís Montenegro, se a atual solução governativa cair não será preciso haver eleições.

Luís Montenegro considerou que Marcelo Rebelo de Sousa foi “deselegante” na sua resposta à economista à frente do Conselho de Finanças Públicas, Teodora Cardoso.

O líder parlamentar do PSD criticou o Presidente da República numa entrevista à Antena 1. “Devo dizer que a resposta a essa intervenção, e sobretudo àquilo que era o seu conteúdo (…), foi deselegante e a todos os níveis”, começou, especificando: “Foi deselegante por parte do Governo, foi deselegante por parte dos partidos que apoiam o Governo, e também do senhor Presidente da República”. Teodora Cardoso respondera a uma pergunta sobre se o cumprimento das metas do défice fora um milagre concordando, e explicando porquê, e o Presidente da República reagiu: milagre “só o de Fátima”.

No entanto, para Luís Montenegro o comportamento mais censurável é o do primeiro-ministro António Costa e do Partido Socialista que, afirma, vieram “apoucar e amesquinhar” as declarações de Teodora Cardoso. Distinguindo aquilo que é um momento infeliz do que é “um padrão”, o líder parlamentar do PSD esclareceu que o Governo e os partidos que o apoiam querem “condicionar, quase restringir, quer a atuação da oposição quer a atuação de instituições independentes”. “Isso é intolerável em democracia e eu não calarei a minha voz nunca nesse debate”, terminou.

As declarações de Montenegro surgem um dia depois de ter qualificado no Parlamento o primeiro-ministro de “mal educado”, no meio de um debate quinzenal crispado em que António Costa e Pedro Passos Coelho trocaram acusações: o primeiro acusava o segundo de “desfaçatez”, o segundo dizia que o primeiro tentava “enlamear as pessoas que estiveram no seu lugar”.

Na mesma entrevista, Montenegro considerou ainda que, se a atual solução governativa caísse, não seria necessário realizar eleições antecipadas. Para o social-democrata, o Partido Socialista é que deveria suportar um novo Governo “liderado por quem ganhou as eleições”, ou seja, o PSD e o CDS-PP. “O quadro parlamentar permite outros ajustamentos”, propôs, “desde que haja vontade política dos partidos”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Montenegro: Marcelo foi “deselegante” com Teodora Cardoso

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião