Lone Star negoceia fecho de balcões. Governo controla

O fundo norte-americano que vai ficar com o Novo Banco terá a responsabilidade de, após a conclusão da operação, negociar com a DGComp os remédios em resultado do auxílio dado ao banco.

O Novo Banco tem vindo a encolher, mas vai ter de encolher um pouco mais. Tendo em conta o auxílio adicional que a instituição recebe, são precisos mais remédios para serem aprovados os planos de viabilidade do banco. Fecho de mais balcões, bem como despedimentos, vão ter de acontecer. E será o Lone Star a negociar esses cortes, embora com a vigilância do Governo.

O plano de reestruturação implícito na venda deverá obrigar o Novo Banco a fechar 55 balcões, podendo estes encerramentos levar ao despedimento de 400 trabalhadores. Este é um ponto de partida, mas pode ainda ser revisto, cabendo a negociação com a DGComp ao fundo norte-americano, sabe o ECO.

Contudo, o Governo também estará presente nessas negociações, disse fonte próxima da operação. A ideia será tentar evitar que o fundo negoceie condições mais danosas do ponto de vista social em troca de outras vantagens com vista à rápida obtenção de proveitos com a instituição.

Sem estatuto de transição, mas com limitações

Com a venda ao Lone Star, o Novo Banco vai deixar de ser considerado um banco de transição. Esse estatuto levava a que, por determinação da DGComp, o banco estivesse limitado na sua operação regular, nomeadamente em termos das condições oferecidas aos seus clientes. Era um remédio resultante da ajuda estatal, para evitar que se criassem distorções no mercado.

Apesar de ir deixar de ter esse estatuto, isso não quer dizer que as limitações do banco desapareçam. Fonte próxima do processo explica que como é dado um auxílio adicional ao banco — a mesma explicação para a necessidade de encerrar balcões –, o Novo Banco poderá manter limitações em termos de concessões de crédito a empresas e na captação de depósitos, tendo de praticar taxas em linha com o mercado.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Lone Star negoceia fecho de balcões. Governo controla

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião