Lone Star pode deixar cair garantia se quiser dividendos

Em vez de uma garantia estatal, a venda do banco é feita com um mecanismo contingente de capital. Tem validade de oito anos, mas pode desaparecer antes desse prazo.

O mecanismo contingente de capital criado no âmbito do processo de venda do Novo Banco, como alternativa à garantia estatal, foi acordado por um prazo de oito anos, mas pode desaparecer antes dessa data. Tudo depende do Lone Star. Caso o fundo de investimento norte-americano pretenda começar a receber lucros da instituição, a garantia desaparece.

O mecanismo vigora por oito anos. Enquanto o Fundo de Resolução tiver a responsabilidade de injetar capital no banco, não há pagamento de dividendos, sendo esta uma forma de garantir que quaisquer lucros gerados serão sempre utilizados para capitalizar a instituição.

Para diminuir o risco de virem a ser necessários futuros aumentos de capital, o acordo fechado no final da última semana estabelece que durante os oito anos o banco não possa distribuir dividendos — o valor deverá, em contrapartida, ser acumulado numa almofada de capital. Mas o Lone Star pode querer receber antes. Se isso acontecer, perde a garantia, sabe o ECO.

O fundo norte-americano ficou com a possibilidade de aniquilar este mecanismo antes do tempo, se quiser encaixar algum lucro potencial que o banco venha a apresentar. Mas para evitar que o Lone Star procure soluções criativas para retirar valor do banco, foi criada ainda outra cláusula.

O ECO sabe que o Lone Star vai ficar impedido, durante o período em que o mecanismo existir, de fazer qualquer tipo de operações, nomeadamente vendas de ativos, com partes relacionadas. Ou seja, não pode assim encontrar formas indiretas de remuneração. Todas essas transações serão monitorizadas por um comité de acompanhamento.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Lone Star pode deixar cair garantia se quiser dividendos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião