BPI vai mudar de auditor em 2018. Deloitte sai. PwC entra

Tendo em conta a OPA do CaixaBank sobre o BPI, a CMVM aceitou que a Deloitte permaneça como ROC até à aprovação das contas de 2018. Depois o novo auditor será a PwC que apresentou a melhor proposta.

As novas regras determinam o BPI tem de mudar de auditor, mas como o banco foi alvo de uma OPA por parte do CaixaBank em fevereiro pediu à CMVM uma exceção para reconduzir a Deloitte no cargo. No entanto, a partir de 2018, a PwC vai passar a ser o auditor da instituição, que exerce também essas funções no banco espanhol.

“Atualmente o BPI depara-se com um quadro de excecionalidade”, escreve o banco na proposta do conselho fiscal para o mandato do Revisor Oficial de Contas e que foi alvo de uma correção, e por isso republicada esta quinta-feira na CMVM. O BPI explica que por causa da OPA que introduziu uma “profunda alteração da composição acionista” e das “consequências decorrentes desta alteração” considera “inoportuno o processo de substituição do Revisor Oficial de Contas”, ou seja a Deloitte, por considerar que essa “substituição prejudicaria a qualidade e celeridade dos trabalhos” de alteração na estrutura do banco, nos quais a intervenção do ROC é fundamental.

Assim o BPI pediu à CMVM ara reconduzir “o atual ROC pelo período máximo de um exercício”.

A CMVM deliberou que a Deloitte pode permanecer em funções “até à aprovação das contas do exercício”, ou seja, na assembleia geral do banco em 2018, sem prejuízo de haver um período de transição que assegure “os trabalhos de transição”. Mas para que o período de transição seja mínimo, a CMVM aconselhou a escolha já de um novo ROC.

Feitas as avaliações técnicas e económicas aos convites feitos, o Conselho Fiscal considerou a PwC como a “sociedade mais bem avaliada” e com “uma proposta de honorários próxima da melhor”.a KPMG ficou em segundo lugar nesta avaliação apesar de te uma maior presença no setor financeiro nacional e ter tido a melhor proposta de honorários.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

BPI vai mudar de auditor em 2018. Deloitte sai. PwC entra

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião